PUBLICIDADE

Topo

Nina Lemos

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Bolsonaro xinga jornalista de quadrúpede, comportamento foi normalizado?

Daniela Lima, apresentadora da CNN Brasil - CNN / Divulgação
Daniela Lima, apresentadora da CNN Brasil Imagem: CNN / Divulgação
Conteúdo exclusivo para assinantes
Nina Lemos

Nina Lemos é jornalista e escritora e mora em Berlim. É feminista das antigas e uma das criadoras do 02 Neurônio, que lançou cinco livros e teve um site no UOL no começo de 2000. Foi colunista da Folha de S. Paulo, repórter especial da revista Tpm e blogueira do Estadão e do Yahoo. Escreveu também o romance "A Ditadura da Moda".

Colunista de Universa

02/06/2021 13h58

"Ela é uma quadrúpede." Essa frase foi dita pelo presidente Jair Bolsonaro para seus admiradores ontem. A "quadrúpede" em questão seria a apresentadora da CNN Daniela Lima, uma respeitada jornalista com anos de experiência. Ele completou a frase dizendo que "não por acaso ela [Daniela] foi eleitora no passado de outra do mesmo gênero". Pelo jeito, ele se referia à ex-presidente Dilma Rousseff. Ou seja, em uma fala, ele atacou duas mulheres.

A apresentadora vem sendo atacada desde que uma fala dela foi editada de maneira maliciosa por apoiadores do presidente. No dia 26 de maio, Daniela disse, no programa que apresenta: "Não saia daí porque agora, infelizmente, a gente vai falar de notícia boa, mas com valores não tão expressivos". A última parte da sua fala foi editada, dando a entender que ela lamentava dar uma boa notícia.

Burra, vaca, quadrúpede. Usar animais para xingar mulheres é uma prática comum e muito cruel usada em ataques misóginos. Vem de quem adora nos reduzir a bichos. Já é absurdo que qualquer anônimo da internet trate mulheres assim. No caso do presidente da República falar uma coisa dessas é um escândalo. Algo nunca visto na história da República. Depois da ofensa de Bolsonaro, Daniela passou a receber milhares de ataques de seguidores do presidente nas redes sociais. Esse tipo de "brincadeira" faz com que mulheres recebam ameaças de morte, ataques a familiares. É um pesadelo.

Infelizmente esse comportamento é usual em se tratando de Jair Bolsonaro.

No dia 26 de abril, o presidente ouviu o seguinte questionamento da repórter Driele Veiga, da TV Aratu: "Presidente, o senhor foi criticado sobre uma foto postada dizendo "CPF cancelado" em um momento de tantas pessoas morrendo". A resposta ao justo questionamento de uma jornalista em exercício de sua profissão foi a seguinte: "Você não tem o que perguntar não? Deixa de ser idiota!"

Esse tipo de assédio moral e verbal contra jornalistas é tão habitual para o presidente que ele já foi condenado por isso. Em março, por decisão da Justiça, ele foi condenado a indenizar a jornalista Patrícia Campos Mello, da Folha de S.Paulo, por danos morais. Motivo: em fevereiro do ano passado, ele disse para apoiadores que Patrícia "queria dar um furo, um furo contra mim". Furo é o jargão jornalístico para publicar uma reportagem com exclusividade, antes dos outros colegas.

É escandaloso que um presidente trate mulheres dessa forma, mas não é tão surpreendente. Bolsonaro vive atacando jornalistas. Segundo levantamento da ONG Repórteres Sem Fronteira, o presidente e seus filhos fizeram 469 ataques a jornalistas e veículos de imprensa em 2020.

E Jair Bolsonaro também tem passado de assediador moral de mulheres. Ele foi condenado em 2019 por danos morais à deputada Maria do Rosário, por ter dito que ela "não mereceria ser estuprada".

No caso de nós, jornalistas mulheres, ele reúne esses dois ódios em um só. Mulheres jornalistas para ele são a presa ideal.

Apesar de "comum", esse tipo de comportamento não pode ser normalizado. Não pode virar rotina que jornalistas que fazem seu trabalho corram o risco de serem ofendidas pelo presidente da República, que quando faz isso dá carta branca para que seus admiradores nos ataquem ainda mais. Chamar uma mulher de "quadrúpede", ainda mais na frente de câmeras, é crime.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL