PUBLICIDADE

Topo

Nina Lemos

Cuidar da saúde mental na pandemia virou desculpa para tudo?

Jovens participam de festa em lancha no litoral de SP durante a pandemia do novo coronavírus - Arquivo pessoal
Jovens participam de festa em lancha no litoral de SP durante a pandemia do novo coronavírus Imagem: Arquivo pessoal
Nina Lemos

Nina Lemos é jornalista e escritora e mora em Berlim. É feminista das antigas e uma das criadoras do 02 Neurônio, que lançou cinco livros e teve um site no UOL no começo de 2000. Foi colunista da Folha de S. Paulo, repórter especial da revista Tpm e blogueira do Estadão e do Yahoo. Escreveu também o romance "A Ditadura da Moda".

Colunista do UOL

01/01/2021 04h00

Quantas vezes você ouviu a frase "preciso cuidar da minha saúde mental" em 2020? Eu ouvi várias. Por um lado, isso me deixou muito contente. Isso porque cuidar da cabeça é importante mesmo. Principalmente no meio de uma pandemia que nos fez ficar trancados em casa, tendo que lidar o tempo todo com a solidão, o medo e a morte.

Tenho 20 anos de análise e sofro de ansiedade crônica. Convivo com a síndrome de pânico há décadas. Ou seja, sei muito bem como é importante cuidar da saúde mental. E cuido.

Estava achando ótimo esse papo de saúde mental e incentivando amigas que, por exemplo, moram sozinhas, a dar uma volta, encontrar um amigo, para que não pirassem. Ainda incentivo.

Acho que no momento temos que tomar cuidado com três coisas: não morrer, não enlouquecer e não prejudicar os outros.

Mas, infelizmente, de uns meses para cá, quando a volta "à normalidade" virou uma ideia mais aceita e fomos ficando mais cansados da situação, passei a ver um monte de gente usando o cuidado com a saúde mental como uma espécie de cartão desculpa.

Nas minhas redes sociais, comecei a ver coisas como:

"Viajei para outra cidade, onde me hospedei em um hotel de luxo e fui a vários restaurantes porque EU MEREÇO fazer isso pela minha saúde mental."

"Não aguento, vou viajar com meus 15 amigos porque não tenho mais saúde mental".

Olhando fotos de praias cheias, a impressão que dá é que uma pessoa foi lá cuidar da saúde mental e encontrou várias pessoas que estavam lá fazendo o mesmo. Juntas, formaram uma multidão.

O medo protege

Claro que dar um mergulho faz bem para a saúde mental e é ótimo. Mas ficar na praia lotada é perigoso, para você e para os outros. O limite entre cuidar de si e ser egoísta é pequeno. Conversei com a amiga psicanalista Camila Kfouri para tentar entender melhor esse imbróglio.

"A saúde mental é algo realmente importante durante a pandemia, mas, de fato, as pessoas passaram a abusar do cartão saúde mental, o que pode fazer com que elas paguem caro por isso", diz Camila. Segundo ela, todos estamos exaustos e por isso, quem pode, deve mesmo encontrar um lugar onde possa dar uma descansada. Agora, abusar e agir com irresponsabilidade faz mal, inclusive para a própria saúde mental.

Se você finge que não está com medo, ele aparece, mas de outras formas, até físicas. Aliás, no momento, quem preocupa mais os psicanalistas é quem não está com medo. Pois é um sentimento que serve para te proteger."

Camila explica que é difícil mesmo entender os limites entre cuidar da saúde mental e abusar do momento, já que estamos passando por algo que nunca vivemos antes.

Sim, esse ano foi difícil e pelo jeito vai continuar igual em boa parte de 2021. Temos mesmo que cuidar da cabeça. Agora, usar saúde mental como desculpa não engana ninguém. Nem você mesmo.