PUBLICIDADE

Topo

Fabi Gomes

Cansada, indignada, com ódio? Domingo será um dia ótimo pra resolver isso

Getty Imagens
Imagem: Getty Imagens
Fabiana Gomes

Fabi Gomes é maquiadora e bonne vivante ? gosta de das coisas boas da vida, como artes, literatura, sexo, cinema, culinária, viagens. Está sempre atenta ao poder transformador e aos rumos da beleza.

Colunista do UOL

11/11/2020 04h00

Como você ama aproveitar cada minuto na cama, porque sabe a importância do sono pra sua saúde física mental e beleza, sempre deixa pra fazer a make no caminho pro trabalho ou rolê. Já fiz isso até em pé no metrô! Com prática, a coisa vai. No carro (enquanto passageira, claro), a gente aprende que, pra fazer delineado, boca vermelha ou aplicar máscara pra cílios, precisamos esperar o farol fechar. Por questões de acabamento e segurança.

Estou até tentando desenvolver a técnica de fazer o batom vermelho com o veículo em movimento. Mas daí você tá finalizando tua make e plau, ouve aquele som seco e é chacoalhada em diversas direções. Teu batom vermelho encontra tua sobrancelha e é arremessado ao ar. Sim, um maldito buraco! Você se liga que, além de ferrar tua make, tua lombar também foi afetada. Que sentimento é esse? Raiva? Ódio? Guarda esse ódio.

O dia tá lindo. O sol colou com fé. Criançada pirando trancada em casa. Videogame bombando (quando se tem). Você se sente péssima, quer tirá-los daquela clausura e aproveitar o dia. No prédio não tem parquinho. Piscina em casa, só nos sonhos. Ah, e aquela pracinha a umas quatro quadras de casa? Lá tem quadra, brinquedos, é cheia de árvores, e dá até pra levar o cachorro pro passeio.

Que lembrança boa! Vou chamar umas migas do bairro pra colar na pracinha, se pah a gente faz até um piquenique. Vão de mala e cuia - as crianças, as miga e você. Chegando lá, vocês encontram a pracinha mais que zoada, um verdadeiro cenário de guerra, sem a menor chance de diversão... Decepção define. Guarda essa decepção.

Dona Dirce, tua avó guerreira que, aliás, é quem cuida dos teus filhos quando tem alguma treta na creche, caiu no banho e se machucou feio. Como vocês não têm carro e o hospital mais próximo fica a uns 5 quilômetros, você liga para o Samu, informando o ocorrido. Acontece que na UPA mais próxima eles estão sem ambulâncias e você vai ter que dar outro jeito, se quiser que sua avozinha querida receba pronto-atendimento. Indignação? Impotência? Como se sente? Guarda essa indignação

Com tudo isso rolando na sua rotina (e muito mais), tá conseguindo dormir bem, despreocupada e profundamente? Oito horas direto? Pele descansada, sempre renovada? Não dá pra dormir com a cabeça ferrada, né? Guarda essa insônia.

Traz todos esses sentimentos pra cá

Você odeia política? Acredita que há alguém dessa esfera deveria estar de olho nesses aspectos da tua vida? Onde você acha que a cidade e, principalmente, a tua região precisam de mais ajuda e trabalho? Pois tem uma função que foi todinha pensada e criada pra te auxiliar, pra fazer a ponte entre você e o governo.

A prefeitura (Poder Executivo) executa. Mas criar leis cabe ao Poder Legislativo. Ou seja, é responsabilidade da vereadora (tô assumindo que você vai votar numa mulher, já que a gente precisa equilibrar o jogo político, que atualmente é composto 75% por homens).

O Legislativo cria leis e fiscaliza para onde vai e de que maneira o dinheiro público é usado. É ela que vai ficar falando na orelha do prefeito pra que isso ou aquilo seja feito na sua região. E também vai ficar de olho pra entender como o dinheiro do nossos impostos tá sendo usado.

Tua vereadora pode, ainda, criar uma emenda, na qual se discute o recurso público. Ou seja, o orçamento, essa grande galinha dos ovos de ouro, para a qual, não por acaso, pouca gente (de fora do jogo político) presta atenção. Trocando em miúdos, é uma solicitação de envio de dinheiro para solucionar problemas como asfaltar ruas, reformar a pracinha ou comprar uma ambulância nova para o hospital da região. O papel da vereadora é influenciar o destino do gasto e se sua aplicação foi bem-feita pela prefeitura.

Essa é a figurada política mais próxima ao cidadão. Então, presta atenção se, entre as candidaturas atuais, há pessoas que você já conhecia, que dão rolê no teu bairro e sabem das necessidades locais. Se não souber ou não lembrar, converse com pessoas próximas a você, as quais você respeita e confia e que tenham envolvimento ou conhecimento político. Fica esperta e não desperdiça teu voto em gente que cola em você com promessas vazias, muitas das quais, pela função, nem poderia cumprir.

Segundo reportagem de Universa, "em um dos estudos mais recentes, o Mulheres na Política 2020, divulgado pela ONU Mulheres em março, o país ocupa o penúltimo lugar entre as nações da América Latina no quesito representatividade feminina, englobando cargos executivos, legislativos e em ministérios." (...) "Atualmente, a representação feminina no Congresso brasileiro é de 15%. A proporção é ainda menor em outros cargos eletivos. Elas são apenas 13,5% entre os vereadores e 12% entre os prefeitos eleitos em 2016."

E pros lindos que gostam de usar o argumento de que "mulher não vota em mulher". Bem, o número de mulheres na política vem crescendo substancialmente, mas ainda é necessário que se tenha o equilíbrio na representação como meta. E, à medida que cresce o número de candidatas, à medida que haja mais opções, o número de mulheres eleitas também cresce. Não é muito difícil de entender. Pensa numa progressão aritmética positiva.

Você se vê representada na atual conjuntura política? Já que eu deveria estar falando de beleza aqui, vamos pensar nos tipos físicos mesmo. Dá uma olhadinha nos representantes, nas pessoas que "mandam prender e soltar" na política. Nos caras que tomam as decisões sobre o que, como e quando fazer. Bastante homem branco né? Pois é...

Coincidência ou não, vale a pena mencionar que os países que lidaram de modo mais eficaz no combate à covid-19 foram os liderados por mulheres. Vale a pena dar uma olhada nesta matéria do jornal "Correio Braziliense", que compartilha resultados de uma pesquisa séria, com dados estáticos e comparativos realizados por duas pesquisadoras, Supriya Garikipati e Uma Kambhampati, das Universidades de Liverpool e de Reading.

Gaste um tempinho e pare pra analisar as propostas das candidaturas atuais. Entenda quanto do que está ali se alinha com tuas necessidades e ideais. Quais pautas você julga importantes? O que te mobiliza?

No próximo domingo, pega o ódio, a decepção, a indignação, a insônia e desconta tudo na urna. Escolheremos os ocupantes das prefeituras e das Câmaras Municipais. Achei quer seria oportuno focar na função de vereador neste texto. Como disse, esse é justamente o cargo mais próximo da população. Curiosamente, é provável que seja também o mais negligenciado durante as eleições. Muita gente deixa pra definir esse importante voto apenas no dia da votação.

Quanto à prefeitura, tô crente de que você vai escolher alguém que fale a tua língua e tenha um trabalho longo e comprovadamente eficaz quanto às desigualdades sociais e culturais. Afinal, não estamos na Suécia.

Ficou a fim de saber mais? Se liga no documento que representa um dos principais pactos sócio-políticos entre governo e sociedade: o plano diretor da cidade. Procure saber como você pode participar e como os vereadores tratam a questão. Ele é discutido de dez em dez anos, e, aparentemente, pouca gente sabe da sua existência.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL.