Topo

Universo é mais velho do que se pensava, diz novo estudo

Irene Klotz

Do Cabo Canaveral (EUA)

21/03/2013 20h37

Uma observação mais atenta da radiação deixada pela criação do universo mostra que o Big Bang aconteceu há cerca de 13,8 bilhões de anos, ou 100 milhões de anos antes do que se pensava, disseram cientistas nesta quinta-feira (21).

Essas conclusões estão entre os primeiros resultados das análises dos dados recolhidos pela sonda Planck, da Agência Espacial Europeia (ESA, na sigla em inglês), que está há 15 meses em órbita e fez o mais detalhado exame até agora da radiação remanescente de micro-ondas que permeia o Universo.

Essa relíquia radioativa foi detectada pela primeira vez em 1964 e posteriormente mapeada por duas sondas da Nasa, lançadas em 1989 e 1991. O Planck, com maior sensibilidade, conseguiu observar detalhes como minúsculas variações de temperatura nas chamadas micro-ondas cósmicas de fundo.

As flutuações, da ordem de 100 milionésimos de grau, correspondem a regiões ligeiramente mais densas do espaço, lugares que mais tarde deram origem às estrelas e às galáxias que preenchem o universo.

"É como se tivéssemos passado de uma televisão normal para uma televisão de alta definição. Detalhes novos e importantes se tornaram cristalinos", disse o diretor de astrofísica da Nasa, Paul Hertz, em teleconferência com jornalistas.

No geral, os novos dados se encaixam bem nos modelos existentes sobre a evolução do Universo, mas eles também trazem novos quebra-cabeças.

"As variações de lugar para lugar no mapa que o Planck fez nos dizem coisas novas sobre o que aconteceu apenas 10 nano-nano-nano-nano segundos após o Big Bang, quando o universo se expandiu 100 trilhões de trilhões de vezes", explicou Charles Lawrence, cientista do projeto Planck no Laboratório de Propulsão a Jato da Nasa (Agência Espacial Norte-Americana), na Califórnia, nos Estados Unidos.

"Podemos ver sutis efeitos das atrações gravitacionais de literalmente tudo no Universo", acrescentou.

Em comparação a medições anteriores, o Universo é um pouco mais velho e, surpreendentemente, está se expandindo um pouco mais lentamente do que dizem os modelos atualmente aceitos.

Os dados do Planck também mostram que a matéria comum - a que compõem estrelas, galáxias, planetas, e tudo o que é visível - responde por apenas 4,9% do Universo. A matéria escura, que não interage com a luz, mas pode ser detectada por sua atração gravitacional, compreende 26,8% do Universo, quase um quinto a mais do que em estimativas anteriores.

O resto do cosmos é feito de energia escura, uma força misteriosa e recém-descoberta que desafia a gravidade e causa a aceleração do ritmo de expansão do Universo. Novos resultados do Planck mostram que ela representa 69% do universo, ligeiramente menos do que se estimava.

Mais Tilt