Microsoft assumirá posição de observador sem direito a voto no conselho da OpenAI

Por Akanksha Khushi e Sayantani Ghosh e Krystal Hu

(Reuters) - A Microsoft assumirá uma posição de observador sem direito a voto no conselho de adminstração da empresa de inteligência artificial OpenAI, disse o presidente-executivo, Sam Altman, em sua primeira manifestação oficial após assumir as rédeas da companhia na quarta-feira.

A posição de observador significa que o representante da Microsoft pode participar das reuniões da diretoria da OpenAI e acessar informações confidenciais, mas não tem direito a voto em questões como eleição ou escolha de diretores.

O presidente-executivo da Microsoft, Satya Nadella, que recrutou Altman para a Microsoft após sua saída da OpenAI, havia dito anteriormente que a governança da criadora do ChatGPT precisa mudar.

A OpenAI anunciou um novo conselho inicial na semana passada, composto pelo ex-presidente-executivo da Salesforce Bret Taylor como presidente, e por Larry Summers, ex-secretário do Tesouro dos EUA. O presidente-executivo da Quora, Adam D'Angelo, que fazia parte da diretoria que demitiu Altman, também permaneceu na nova diretoria.

Na quarta-feira, Taylor disse na rede social X que pretende "se afastar e deixar a supervisão da OpenAI nas boas mãos dos pares da diretoria" quando as tarefas de transição forem concluídas.

A nova diretoria da OpenAI está em uma busca ativa por novos membros com experiência em campos que vão desde tecnologia até segurança e política. É improvável que os investidores da OpenAI consigam um assento na diretoria da companhia sem fins lucrativos, disseram fontes à Reuters.

A Microsoft se comprometeu a investir mais de 10 bilhões de dólares na OpenAI e possui 49% da empresa. A companhia não respondeu a pedidos de comentários.

Mira Murati, que havia sido diretora de tecnologia da OpenAI e foi brevemente nomeada presidente-executiva interina após a demissão de Altman, é novamente a vice-presidente de tecnologia da empresa.

Continua após a publicidade

A OpenAI demitiu Altman em 17 de novembro sem nenhuma causa detalhada, disparando o alarme entre investidores e funcionários. O executivo foi reintegrado quatro dias depois com a promessa de uma nova diretoria.

A saída de Altman gerou confusão sobre o futuro da startup por trás do boom da inteligência artificial.

O cientista-chefe da OpenAI, Ilya Sutskever, não fará mais parte da diretoria, disse Altman. Sutskever se juntou ao esforço para demitir Altman, mas depois assinou uma carta de funcionários que exigiram seu retorno, expressando arrependimento por sua "participação nas ações do conselho".

"Eu amo e respeito Ilya, acho que ele é uma luz orientadora do campo e uma joia de ser humano. Não tenho nenhuma má vontade com ele", disse Altman, acrescentando que a empresa está discutindo como Sutskever poderá continuar seu trabalho na OpenAI.

Além de Altman, Brockman, Sutskever e D'Angelo, a diretoria anterior da OpenAI era composta pela empresária Tasha McCauley e Helen Toner, diretora de estratégia do Centro de Segurança e Tecnologia Emergente de Georgetown.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes