PUBLICIDADE
Topo

Classe de exoplaneta dá novo caminho para encontrar vida extraterrestre

Só em 2017, a Nasa descobriu 219 possíveis exoplanetas - Nasa
Só em 2017, a Nasa descobriu 219 possíveis exoplanetas Imagem: Nasa

Colaboração para Tilt

27/08/2021 14h51

Cientistas descobriram uma nova perspectiva para a busca por vida fora da Terra. Segundo um estudo da Universidade de Cambridge, pode ser possível encontrar vida extraterrestre em uma nova classe de exoplanetas (fora do nosso Sistema Solar) que possui atmosferas ricas em hidrogênio e esconde oceanos profundos.

Esses exoplanetas são chamados de "hycean", que combina as palavras "hidrogênio" e "oceano", em inglês. Os dados da pesquisa foram publicados nesta semana no The Astrophysical Journal.

Além de possuir bastante hidrogênio em sua atmosfera, um hycean deve ter uma camada de água que represente pelo menos 10% da massa do planeta, que torna mais provável a existência de um oceano global, e uma superfície habitável.

Os cientistas também apontam que a temperatura e a pressão no exoplaneta são motivados por "condições em que se sabe que a vida sobrevive nos oceanos da Terra".

O estudo ainda diz que não existe uma massa de terra em um hycean, pois o exoplaneta poderia ser coberto por uma camada de água.

Como chegaram aos resultados

    Os astrônomos procuram planetas fora do nosso Sistema Solar a partir do método de trânsito: eles observam a passagem de um planeta na frente de sua estrela e medem a sua luz. Quando isso acontece, os pesquisadores conseguem analisar a luz da estrela passando pela atmosfera dele, identificando assim as substâncias químicas no processo, incluindo oxigênio e metano.

    Nikku Madhusudhan, do Instituto de Astronomia de Cambridge e um dos autores do estudo, explica que é difícil obter informações de um trânsito em exoplanetas parecidos com a Terra em torno de estrelas semelhantes ao Sol. Quanto menor o planeta e maior a estrela, mais difícil é a observação.

    Diversos astrônomos em busca de sinais de atmosferas em exoplanetas focam em planetas semelhantes à Terra que se encontram próximos a pequenas estrelas anãs. Madhusudhan e seus colegas sugerem que se comece a procurar vida em planetas maiores, que serão mais fáceis de observar, como os planetas "hycean".

    Para dar um novo passo no estudo dos "hycean" será preciso aguardar um pouco. Para obter uma quantidade relevante de dados desses planetas será necessário um grande telescópio, como o Telescópio Espacial James Webb, sucessor do Hubble, que deverá ser lançado em novembro.

    "Meu palpite é que essa será uma mudança de paradigma na busca por vida em exoplanetas", disse Madhusudhan ao site Inverse. "Nem sequer tínhamos considerado planetas como este como bons candidatos para a vida."