PUBLICIDADE
Topo

Um dia após Emirados Árabes, sonda da China chega à órbita de Marte

Tianwen-1 chegou mais longe do que qualquer nave chinesa já foi - Divulgação/Nasa
Tianwen-1 chegou mais longe do que qualquer nave chinesa já foi Imagem: Divulgação/Nasa

Marcella Duarte

Colaboração para Tilt

10/02/2021 10h08Atualizada em 10/02/2021 11h21

Sem tempo, irmão

  • Sete meses após seu lançamento, sonda acionou motores e entrou na órbita de Marte
  • Tianwen-1 inclui orbitador, rover e módulo para pouso, equipados com tecnologia de ponta
  • Após realizar experimentos e procurar vida alienígena, nave deve retornar à Terra até 2030
  • Estados Unidos e Emirados Árabes também estão com missões no Planeta Vermelho

Logo depois de a sonda Hope, dos Emirados Árabes, chegar a Marte, agora foi a vez da missão Tianwen-1, da China. A nave alcançou com sucesso a órbita do Planeta Vermelho na manhã desta quarta-feira (10) por volta das 9h (horário de Brasília).

A Tianwen-1, nome que significa algo como "perguntas celestiais 1", é a primeira missão interplanetária totalmente chinesa. Ela deve retornar à Terra até 2030.

"A primeira sonda da China em Marte, Tianwen-1, entrou com sucesso na órbita do planeta vermelho após um "freio" crucial para desacelerar e ser capturado pela gravidade de Marte", destacou a TV estatal chinesa CGTN.

A nave é composta por um orbitador (que ficará girando em torno do planeta), um rover (robô sobre rodas para análises de solo) e um módulo para pouso. O primeiro vai captar imagens de alta resolução —a primeira foi enviada à Terra na semana passada— e escanear o local de pouso, que está previsto para maio.

O rover de aproximadamente 250 kg, movido a energia solar, deve explorar uma região chamada Utopia Planitia, uma enorme cratera de impacto, com diâmetro aproximado em 3.300 km, causada por algum asteroide. É o mesmo local onde a sonda Viking 2, da Nasa, aterrissou e explorou em 1976.

A Tianwen-1 foi lançada em julho do ano passado na moderna base na ilha tropical de Hainan, na China, em um Long March 5, o maior e mais poderoso foguete chinês. O governo e a agência espacial nacional (CNSA) não divulgam grandes detalhes da missão e de seu andamento.

Nave da China Tianwen-1: missão Marte é o objetivo - Reprodução/CNSA - Reprodução/CNSA
Tianwen-1 faz parte da primeira missão interplanetária totalmente chinesa
Imagem: Reprodução/CNSA

Tecnologia de ponta

O orbitador carrega sete atributos científicos, incluindo câmeras de alta resolução, um magnetômetro (instrumento que mede campos magnéticos), um radar e instrumentos para detecções atmosféricas e ionosféricas. Ele é projetado para operar por um ano marciano (687 dias terrestres).

Já o rover foi feito para atuar 90 dias em Marte, mas pode durar mais. Leva seis instrumentos, incluindo um sistema de espectroscopia a laser (para detectar elementos de superfície, minerais e tipos de rochas), leitores de imagens topográficas e multiespectrais, de campo magnético e de clima.

O robô também é equipado com um radar para penetração no solo —algo que nunca foi colocado em Marte. A missão tem o potencial de trazer novas informações sobre o planeta, como detectar camadas geológicas, depósitos de sal, evidências de gelo e de um suposto lago subterrâneo, além de encontrar possível atividade biológica microbiana.

O módulo de aterrissagem usa um sistema de paraquedas supersônicos e retropropulsores. Essas tecnologias já foram testadas nas missões chinesas Chang'e-3 e Chang'e-4 para a Lua, em 2013 e 2019. O pouso autônomo é um dos maiores desafios de uma missão deste tipo.

Para enviar todas estas valiosas informações de volta à Terra, de até 40 milhões de quilômetros (distância máxima entre nosso planeta e Marte), também é preciso tecnologia em solo terrestre. Uma antena gigante, de 2.700 toneladas e 49.000 metros quadrados, foi construída em Tianjin, no norte da China, especialmente para a missão.

Antena construída na China para ajudar em missão Tianwen-1 com destino Marte - Reprodução/Chinese Academy of Science - Reprodução/Chinese Academy of Science
Antena construída para ajudar em missão chinesa
Imagem: Reprodução/Chinese Academy of Science

Seu prato móvel "segue" Marte do céu, se posicionando da melhor maneira a receber os sinais e dados da nave. Outras antenas menores pelo país e o sistema de rastreamento Estrack, da Agência Espacial Europeia (ESA), auxiliam no monitoramento espacial.

Corrida espacial

Há nove anos, a China tenta chegar ao espaço profundo, especialmente a Marte. A primeira tentativa frustrada, em 2011, nem saiu dos arredores da Terra. Após a decolagem, o orbitador Yinghuo-1 e a nave russa Fobos-Grunt perderam contato e caíram de volta à Terra dois meses depois.

A Tianwen-1 chegou mais longe do que qualquer nave chinesa já foi. O país investe bilhões de dólares em seu ambicioso programa espacial, para tentar alcançar o nível das agências norte-americana e europeia.

Em 2003, enviou seu primeiro astronauta ao espaço; em 2013 e 2019, pousou pequenos robôs na Lua; agora, chegou a Marte, em uma corrida com os Emirados Árabes e os Estados Unidos. A missão Perseverance deve chegar ao campo de gravidade do planeta na semana que vem.

Um programa lunar tripulado pretende desembarcar astronautas no polo Sul da Lua em 2024. A China também quer começar a implantar uma grande estação espacial no ano que vem —que poderia se tornar a única operacional após o fim da Estação Espacial Internacional (ISS), atualmente previsto para 2028.