PUBLICIDADE
Topo

O que é Epik, possível nova casa da rede social Parler expulsa da web

BackyardProduction/Getty Images
Imagem: BackyardProduction/Getty Images

Gabriel Joppert

Colaboração para Tilt

13/01/2021 19h54

Sem tempo, irmão

  • Epik é um provedor de serviços de internet conhecido por ser mais favorável à extrema-direita
  • Plataforma hospedou sites como o Gab e o fórum 8chan, onde atiradores anunciaram ataques a escolas
  • Empresa se diz defensora da liberdade de expressão em competição com plataformas maiores

Seguindo acusações de que sua plataforma teria sido leniente com conteúdo ligado à invasão do Congresso americano, a rede social Parler parece ter encontrado nova sede, ainda que não tenha voltado a funcionar após ser banida dos servidores da Amazon. O jornalista inglês James Iles foi o primeiro a noticiar que a Parler está agora hospedada com a Epik.

A Parler perdeu aos poucos seu espaço na internet. Primeiro, Google e Apple a retiraram de suas lojas de apps. Na sequência, a Amazon decidiu parar de prestar serviços de hospedagem para a rede social. Está fora do ar desde segunda-feira (11).

Sediada em Washington, a Epik é conhecida por hospedar conteúdo de direita e extrema-direita, como a rede social Gab e o site de notícias do teórico da conspiração Alex Jones, o Infowars.

A Epik também hospedou por um tempo o 8chan, fórum associado ao fomento do discurso de ódio e relacionado a atentados terroristas como o ocorrido na Nova Zelândia em março de 2019.

Chefe de extrema-direita

Parte da cobertura negativa e da desconfiança em relação à Epik se deve a declarações polêmicas de seu executivo-chefe, Rob Monster. Em 2018, o HuffPost noticiou que Monster defendeu o direito de neonazistas de se reunirem virtualmente.

Já a Newsweek apurou que, durante uma participação em um podcast em janeiro de 2019, Monster teceu elogios ao supremacista branco David Duke, ex-líder da Ku Klux Klan.

Outro lado

Em seu posicionamento oficial, divulgado na segunda-feira (11), a Epik diz que não havia ainda nenhum contato oficial entre eles e a Parler para que se tornassem seus hospedeiros.

Na declaração, a Epik critica Facebook e Twitter, dizendo que, pelo tamanho das plataformas, qualquer mudança real ou responsabilização se tornaram impossíveis, salientando que os interesses políticos e particulares de seus executivos criam um "duplo padrão" na hora de moderar conteúdo.

A Epik também afirma estar comprometida a defender a liberdade de expressão responsável, empenhando-se ativamente em remover conteúdo perigoso. Para a empresa, a narrativa negativa sobre eles é usada para conter seu crescimento e diminuir a livre competição.