PUBLICIDADE
Topo

Maior satélite de observação da Terra será lançado hoje rumo ao espaço

Sentinel-6 Michael Freilich ficará em órbita para acompanhar a elevação do nível do mar - Divulgação/Nasa
Sentinel-6 Michael Freilich ficará em órbita para acompanhar a elevação do nível do mar Imagem: Divulgação/Nasa

Felipe Oliveira

Colaboração para Tilt

21/11/2020 04h00

A Nasa (agência espacial norte-americana) e a ESA (Agência Espacial Europeia) lançarão neste sábado (21) a nave Sentinel-6 Michael Freilich, que ficará em órbita para acompanhar a elevação do nível do mar, um dos efeitos colaterais das mudanças climáticas.

Parecendo uma verdadeira casa no espaço, o Sentinel-6 possui pouco mais de 5 metros de comprimento e, segundo a Nasa, é o maior satélite de observação da Terra já lançado.

Cientistas vêm observando as medições do nível do mar para compreender os efeitos das mudanças climáticas há anos. De acordo com ESA, o nível médio global do oceano tem aumentado 3,2 milímetros por ano, o que poderá ser mais bem observado a partir da missão Copernicus Sentinel-6.

"Compreender e quantificar o que está acontecendo com o oceano é difícil de fazer, ele está mudando lentamente, mas está mudando. Entender a rapidez com que isso está acontecendo requer uma medição muito precisa e contínua", afirmou Parag Vaze, gerente de projeto da Nasa para a missão Sentinel-6, durante uma teleconferência recente.

O lançamento está previsto para as 14h17 (de Brasília) deste sábado e será feito com o foguete Falcon-9, da SpaceX. A Nasa irá transmitir o lançamento ao vivo pelo seu site oficial.

Uma série de satélites vêm acompanhando a evolução do nível do mar nos últimos 30 anos, mas nunca se teve tanta precisão como a que o Sentinel-6 Michael Freilich poderá trazer.

A missão Copernicus Sentinel-6 inclui dois satélites idênticos, o Sentinel-6 Michael Freilich e Sentinel-6B, que serão lançados com cinco anos de diferença e fornecerão dados aos cientistas pelo menos até o ano de 2030.

No espaço, os satélites conseguem pontos de vista incomparáveis, o que permite reunir dados preciso e inclusivos. O radar do Sentinel-6 calcula a distância entre o satélite e a Terra medindo o tempo que um pulso do radar leva para refletir a superfície da Terra.

A partir desse pulso, é possível determinar a altura da superfície do mar, a velocidade do vento naquele local e a rugosidade do oceano.

Observações precisas e de longo prazo da elevação do nível do mar e seu impacto na zona costeira são essenciais para o planejamento e proteção dos 10% da população mundial que vivem a menos de 10 metros acima do nível do mar, segundo a Nasa.

"O aumento do nível do mar é um tópico extremamente importante, algo que as pessoas viram em seus quintais com os oceanos mudando ao longo do tempo. Afeta a vida cotidiana, afeta o comércio, afeta todos os tipos de aplicações onde as pessoas realmente desejam e precisam saber o que está acontecendo com os oceanos que circundam nossa Terra", diz Parag Vaze.

Além disso, como o satélite fornecerá medições em tempo quase real da altura da superfície do mar e das ondas e velocidade do vento, os registros obtidos nessa missão poderão ser usados para determinar rotas dos navios, projetos de infraestrutura marítima, desenvolvimento de parques eólicos oceânicos e planejamento de defesa costeira, diz a ESA.

Outro ponto importante é com relação à medição da altura significativa das ondas junto com a velocidade do vento sobre o oceano, conhecidas coletivamente como "estado do mar".

"Registros de dados de longo prazo sobre o 'estado do mar' são necessários para avaliar as mudanças ao longo de décadas, para projetar as mudanças climáticas futuras com modelos e para informar a tomada de decisões", diz a Agência Espacial Europeia.