PUBLICIDADE
Topo

Startup cria robô controlado da Terra para virar astronauta de Musk e Bezos

Robô manipula caixa de ferramenta durante teste da Gitai - Reprodução
Robô manipula caixa de ferramenta durante teste da Gitai Imagem: Reprodução

Thiago Varella

Colaboração para Tilt

24/05/2020 04h00

Mandar um astronauta para o espaço sai caro. Uma das saídas para reduzir o alto custo das viagens espaciais é substituir humanos por robôs. A startup Gitai está desenvolvendo um robonauta que pode ser operado da Terra e que é capaz de realizar atividades hoje feitas por pessoas no espaço. A ideia é que os robonautas possam ajudar as iniciativas comerciais de bilionários como Elon Musk e Jeff Bezos.

"Nós vamos ver uma era em que humanos trabalharão no espaço, não apenas indo ao espaço", afirmou Sho Nakanose, CEO da Gitai, à Bloomberg.

Segundo a Gitai, enviar um humano ao espaço custa mais de US$ 430 milhões por ano. Imagina o quanto de dinheiro é gasto para garantir a sua segurança em um ambiente tão inóspito.

Em seu escritório em Tóquio, a Gitai tem uma maquete do interior da Estação Espacial Internacional. Operado por um humano, um robô de braços brancos e mãos negras aciona interruptores e manipula amostras de experimentos. Cada um desses avatares custa entre US$ 300 mil e US$ 500 mil.

Conseguir que um robô operado da Terra funcione no espaço ainda é um grande desafio. Por causa das distâncias envolvidas, geralmente há um delay, o que pode deixar os operadores enjoados, um problema semelhante ao dos equipamentos de realidade virtual. Para enfrentar o desafio, a Gitai está trabalhando para tornar seus robôs parcialmente autônomos.

A Gitai já levantou cerca de US$ 4 milhões para enviar partes de seus equipamentos ao espaço no próximo ano para testes.

O mercado de robonautas está em alta e pode movimentar cerca de US$ 4,4 bilhões até 2023.

Nakanose trabalhou como engenheiro na IBM, mas deixou a empresa para abrir sua startup. Ele está disputando o ANA Avatar XPrize, uma competição destinada a estimular o desenvolvimento da tecnologia para uso em zonas de desastre, subaquáticas ou outros locais considerados muito hostis ou perigosos para seres humanos.

SIGA TILT NAS REDES SOCIAIS