PUBLICIDADE
Topo

Sai Google, pode entrar Facebook: quem assume o wi-fi grátis de São Paulo?

Empresas ainda querem audiência da web grátis em 27 estações da CPTM e 300 praças de SP - Arte UOL
Empresas ainda querem audiência da web grátis em 27 estações da CPTM e 300 praças de SP Imagem: Arte UOL

Helton Simões Gomes

De Tilt, em São Paulo

03/03/2020 04h00

Sem tempo, irmão

  • Após Google desistir de programa de wi-fi grátis em SP, empresas buscam nova parceria
  • Por dia, 150 mil pessoas se conectavam nas estações de trem
  • AmericaNet (wi-fi nas praças) e Linktel (CPTM e Metrô) dizem ter sido pegas de surpresa
  • Facebook negocia se juntar à Linktel; empresa ainda não confirma oficialmente

Grandes empresas estão atuando nos bastidores para tomarem posse do wi-fi público e gratuito de São Paulo. Como o Google, em um anúncio repentino, resolveu acabar com sua participação no programa Google Station, o cobiçado posto passou a ser disputado por agências de conteúdo digital e pela rival Facebook.

Essas empresas estão de olho na audiência do acesso grátis a internet em 24 estações da CPTM e 300 praças da capital paulista. Por dia, 150 mil pessoas se conectavam nas estações de trem; já o número de quem acessava nas praças não foi divulgado.

A nova disputa chega em um momento em que a rede está sendo ampliada para abranger o Metrô e está em testes para funcionar dentro de vagões de trem.

Lançado em 2015 na Índia, o Google Station é uma iniciativa global para oferecer internet sem fio de forma gratuita. Com a meta de conectar 1 bilhão de pessoas, foi levado a países como México, Indonésia, Nigéria, Filipinas e Vietnã. No Brasil, chegou em junho do ano passado, mas está previsto para acabar até o fim de 2020 porque a empresa não encontrou "um modelo de negócio sustentável".

Sai o Google...

A gigante das buscas não faz tudo no Station: empresas parceiras instalam a infraestrutura de rede, garantem a manutenção do link de internet e sua operação. O Google gerencia a oferta do serviço, analisa o fluxo de dados e vende publicidade, com faturamento dividido entre os parceiros.

No Brasil, os parceiros eram a AmericaNet, responsável pelas praças; e a Linktel, que cuidava das estações da CPTM e do Metrô de SP, além de levar a conexão para Fortaleza. Ambas as companhias dizem terem sido pegas de surpresa pela decisão do Google.

"No começo de fevereiro, um diretor marcou uma reunião. Disse que foi uma decisão mundial, porque o projeto como um todo não tinha lucratividade e que não tinha nada a ver com a gente, com o país. Se não teve lucratividade, é porque alguém lá errou nas contas", diz Jonas Trunk, presidente da Linktel.

Como as empresas ganharam a concorrência para operar nos espaços públicos, eram elas que faziam os investimentos. Segundo a AmericaNet, foram investidos R$ 10 milhões na rede de wi-fi. O plano era gastar R$ 20 milhões para elevar o número de pontos de wi-fi de 69 para 619.

Já a Linktel gastava R$ 50 mil por ponto de acesso. Isso, diz Trunk, não contava o custo de operação, de 35% a 40% superior a uma estação normal. Por contrato, o Google exigia que a rede sem fio não ficasse fora do ar. Isso exigia redundância na conexão, o que saia mais caro.

A desistência do projeto surpreende Trunk, ainda mais porque ele considerava bons os números alcançados. "Brasileiro gosta do Google. Eu já estava na CPTM, mas foi só trocar para Google que mais gente entrou. O projeto no Brasil estava bombando." E o faturamento ia bem, diz. "A parte da publicidade não era ruim. Dava uns US$ 70 mil, US$ 80 mil por mês."

Placa que indica wi-fi público na cidade de São Paulo - Adriano Delgado/UOL
Placa que indica wi-fi público na cidade de São Paulo
Imagem: Adriano Delgado/UOL

Ainda assim, o Google avisou que se mantém à frente do projeto nas estações de trem até março ou abril. Das praças paulistanas, sai no fim do ano.

As empresas minimizam a saída do Google para seus negócios. Dona de 10 mil pontos de wi-fi em todo país, a Linktel usou o modelo de negócio com a empresa americana para desenhar a proposta vencedora da licitação do Metrô. Propôs oferecer conexão de graça e ainda dividir a publicidade com a estatal.

... E entra o Facebook?

As duas empresas estão negociando quem assumirá o lugar do Google. A AmericaNet não dá maiores detalhes sobre os parceiros. Já a Linktel negocia com empresas de conteúdo digital e com o Facebook.

O Facebook procurou a gente, porque, de repente, ele já entra em uma grande cidade, com 60 pontos. A proposta do Facebook é a mais tentadora. E ele vai colocar toda a plataforma de publicidade, o que é uma força
Jonas Trunk, presidente da Linktel

O executivo conta que não é a primeira vez que a rede social o aborda para trabalharem juntos com wi-fi. Como tinha contrato de exclusividade com o Google, a Linktel não podia levar as conversas adiante. Ele afirma que, depois de discutir com representantes do Facebook no Brasil, o contrato está sendo revisado na Califórnia, sede da empresa.

Após ser questionado por Tilt, o Facebook informou que não possui novidades para compartilhar neste momento.

SIGA TILT NAS REDES SOCIAIS

Negócios