PUBLICIDADE
Topo

Como vai funcionar o Uber voador que pode ser testado no Brasil em 2020

Uber voador está "mais perto do que imaginamos", segundo a empresa - Arte/UOL
Uber voador está "mais perto do que imaginamos", segundo a empresa Imagem: Arte/UOL

Gabriel Francisco Ribeiro*

Do UOL, em San Francisco (EUA)

22/11/2018 04h00

Estamos muito perto daquele futuro distópico em que várias "máquinas voadoras" circulam sobre nossas cabeças. Uma das empresas que tomou a frente para tornar isso realidade é a Uber, que pretende testar sua modalidade voadora (com voos possivelmente no Brasil) a partir de 2020. Mas você já parou para pensar como essa nova tecnologia funcionará?

Em primeiro lugar, é preciso definir o que é o chamado Uber Air. É um carro voador? É um avião? É um helicóptero? É o super-homem? Bom, apesar de muita gente chamar de "carro voador", na prática ele será mais semelhante a um avião ou helicóptero — apesar de existirem várias diferenças no seu funcionamento, como o fato de ele ser elétrico.

Veja também:

É mais um avião do que um carro, você não pode sair dirigindo ele por aí. O problema dos carros voadores para mim é que eles não são nem bons carros e nem bons aviões

Tom Prevot, diretor de sistemas aeroespaciais na Uber e um dos chefes no projeto Uber Elevate, em entrevista ao UOL Tecnologia

Veículo elétrico com pousos e decolagens verticais

O veículo elétrico da Uber é chamado de VTOL (Vertical Take-off and Landing, na tradução livre: Decolagem e Pouso Vertical) e pode ser definido como uma mistura de helicóptero com drone.

No pouso e na decolagem, o transporte lembra um pouco os helicópteros, mas com diferenças sensíveis em seu funcionamento. Isso porque ele usa uma propulsão elétrica distribuída pela veículo.

Demonstração virtual do Uber Air - Reprodução - Reprodução
Uber apresentou alguns conceitos de como deverá ser o Uber Air
Imagem: Reprodução

Esse é um dos pontos cruciais para a Uber, por sinal. A empresa quer quer os veículos sejam muito mais silenciosos que helicópteros, e uma das estratégias para isso é espalhar pequenas hélices por todo o corpo da aeronave.

Nas viagens, a autonomia dependerá da bateria interna do produto, que impulsiona o funcionamento dele — esse é um dos principais pontos que a Uber trabalha com as empresas parceiras, já que para o novo tipo de mobilidade ser viável será necessário uma bateria suficiente.

É importante frisar que quem fabrica as aeronaves não é a Uber. Diversas empresas ao redor do mundo, como a Embraer, tentam tornar o produto real e algumas até têm protótipos prontos sendo testados em pequena escala. A Uber acompanha o desenvolvimento e passa algumas diretrizes do que busca no produto.

Inicialmente, os veículos deverão contar com pilotos dentro das aeronaves comandando a viagem —provavelmente, pilotos comerciais de helicópteros com um treinamento extra para o VTOL. No entanto, o objetivo da empresa é que tudo seja autônomo no futuro. Para empresas que fabricam a tecnologia, o veículo autônomo é realidade.

"Tem umas 16 empresas que estão realmente construindo o que chamamos de VTOLs. Acho que há um consenso sobre que tipo de veículo é necessário. Voos autônomos são feitos em sua maioria por Radar, Lidar e câmeras, e todos esses sensores existem hoje e já são muito mais em conta financeiramente do que eram um tempo atrás", diz Clément Monnet, executivo-chefe da Voom, empresa de voos de helicóptero sob demanda que nasceu de uma incubadora de projetos da Airbus.

O interessante desses veículos é que eles podem decolar e pousar de qualquer lugar, teoricamente. A Uber diz que poderá usar até helipontos já espalhados pelas cidades, mas as estruturas terão que passar por adaptações — por exemplo, precisam de locais específicos para recarregar as aeronaves.

A ideia da Uber é que os veículos não sejam usados para trajetos curtos dentro de cidades, mas mais longos. Um exemplo dado pela própria companhia é o de ir de São Paulo ao Aeroporto de Viracopos, em Campinas (SP).

Antes, a companhia já havia afirmado ao UOL Tecnologia que o trajeto pode vir a custar no futuro mais barato com o Uber Air do que na modalidade UberX de carros — a intenção, por sinal, é combinar a nova tecnologia com outros modais da plataforma. As viagens serão compartilhadas com mais passageiros, o que possibilita a divisão que deixa ela mais "barata".

Sistemas próprios

A nova tecnologia não envolve apenas os veículos inovadores. Será necessário criar toda uma tecnologia para sustentar no ar o novo sistema de transporte. Essa é uma das partes em que a Uber será responsável e comandada por Tom Prevot.

Veja também:

O diretor da Uber tem passagem pela Nasa, onde já comandou projetos para criar sistemas para a próxima geração de transportes pelo ar. Segundo Prevot, a Uber está criando uma tecnologia para gerenciar e monitorar as aeronaves. "Na escala que queremos operar um dia, você não pode simplesmente adicionar mais e mais controladores", explica.

A Uber está ciente de que a sua nova modalidade precisará passar por regulamentações não só locais como de entidades que regulam o espaço aéreo — normalmente, há um rigor grande dessas instituições. Mesmo assim, Prevot diz ter visto sinais positivos dessas instituições para que a Uber cumpra a meta de lançar testes em 2020 e operações comerciais para usuários em 2023.

Brasil tem mesmo chances de receber teste?

A tecnologia está há alguns anos de virar realidade, mas o brasileiro já pode ter esperança. Os primeiros testes serão feitos em Dallas e Los Angeles, nos EUA, mas São Paulo e Rio de Janeiro têm chances de ser a terceira cidade internacional a receber uma sede do Uber Air Center.

Segundo o diretor da Uber, existe uma lista de 145 fatores que será checada a fundo antes da cidade ser definida. Mas São Paulo, principalmente, tem motivos para se animar.

Em primeiro lugar, é a cidade onde a Uber mais tem viagens de carro no mundo. A capital também é a maior do mundo em frota de helicóptero para civis, o que mostra que há mercado por aqui. Outro ponto positivo é a proximidade com a Embraer, que fica em São José dos Campos (SP), a 110 km de São Paulo.

Se isso tudo vai ser suficiente para superar a concorrência de cidades do Japão, Austrália, Índia e França, saberemos em breve.

*O repórter viajou a convite da Uber

Colaborou: Rodrigo de Sousa Trindade