PUBLICIDADE
Topo

Facebook: as denúncias e o apagão que agravam crise da maior rede social do mundo

JOEL SAGET / AFP
Imagem: JOEL SAGET / AFP

06/10/2021 10h45

Nesta terça-feira, o Facebook enfrenta os desdobramentos de uma crise dupla: o depoimento de sua ex-funcionária Frances Haugen ao Senado americano, onde ela detalhou denúncias contra a empresa; e os impactos e prejuízos da pane mundial que atingiu suas redes sociais na segunda-feira.

Nesta terça-feira (5/10), a ex-funcionária do Facebook Frances Haugen compareceu ao Senado americano para prestar depoimento sobre suas denúncias contra a empresa, que incluíram documentos internos vazados e publicados pela imprensa.

Mais cedo, o fundador e diretor do Facebook, Mark Zuckerberg, precisou se pronunciar em uma outra frente de batalha para a companhia nesta semana: em uma postagem, ele pediu desculpas pelas redes sociais do grupo terem ficado fora do ar por cerca de seis horas na segunda-feira (4), em boa parte do mundo.

Depois, a empresa esclareceu que houve um problema na conexão entre seus centros de dados e a internet, e disse estar trabalhando para que sua infraestrutura se torne "mais resiliente".

No dia anterior à pane mundial que comprometeu o funcionamento do Facebook, WhatsApp e Instagram, Frances Haugen já havia colocado o nome da empresa em maus lençóis ao ter uma entrevista veiculada pela rede americana CBS.

No domingo, a ex-funcionária de 37 anos de idade afirmou que a companhia prioriza o "crescimento em detrimento da segurança" ? seja na proteção aos princípios democráticos ou no cuidado com a saúde mental de adolescentes.

Documentos vazados por ela para o jornal Wall Street Journal foram publicados nas últimas três semanas. Um deles foi sobre uma pesquisa que o Instagram fez internamente, revelando indícios de que o aplicativo pode ser prejudicial à saúde mental de meninas. Entretanto, segundo Haugen, a empresa negligenciou alertas como esse.

"O comando da empresa sabe como tornar o Facebook e o Instagram mais seguros, mas não fará as mudanças necessárias porque coloca seus lucros astronômicos na frente das pessoas", disse a engenheira nesta terça-feira a senadores.

Ela também criticou Mark Zuckerberg por ter um amplo poder, em um cenário onde "ninguém cobra responsabilidades de Mark além dele próprio"; e pediu maior regulamentação das redes pelo Congresso.

"Precisamos agir agora", pediu a ex-funcionária.

Em um comunicado posterior ao depoimento, o Facebook afirmou não concordar com a "caracterização de muitos assuntos sobre os quais ela (Haugen) testemunhou", mas disse concordar que "é hora de começar a criar normas padrão para a internet".

O diretor de comunicações da empresa, Andy Stone, postou no Twitter, enquanto ocorria o depoimento no Senado, que Frances Haugen estava tocando em assuntos que fugiam do escopo das áreas em que trabalhou no Facebook ? incluído proteção às crianças e o próprio Instagram.

Formada em engenharia elétrica e de computação na faculdade Olin College, e com MBA na Universidade de Harvard, Haugen já trabalhou em grandes empresas da tecnologia, como o Pinterest e o Google.

Em 2019, ela foi para o Facebook ? segundo diz seu site pessoal, para assumir um cargo de "gerente de produto líder da equipe de desinformação cívica, que lidava com questões relacionadas à democracia e desinformação, e mais tarde também trabalhou em contraespionagem".

Na entrevista ao programa 60 Minutes da CBS, ela contou que decidiu deixar o Facebook em maio deste ano depois de se incomodar com as práticas da companhia.

Na entrevista, Haugen também acusou o Facebook de fomentar a violência na invasão ao Capitólio, no início do ano, episódio que deixou cinco mortos. Ela disse que a rede social ativou os sistemas de segurança para reduzir a desinformação apenas durante as eleições nos Estados Unidos

"Assim que a eleição acabou, eles desativaram ou mudaram as configurações para o que era antes, para priorizar o crescimento em vez da segurança, e isso realmente parece uma traição à democracia."

Pane: perdas para o Facebook

O Facebook é a maior empresa de redes sociais do mundo, tendo 2,7 bilhões de usuários ativos diariamente em alguma de suas plataformas, segundo relatório de julho.

Na segunda-feira, com a pane mundial, as ações da empresa na bolsa de Nova York, a Nasdaq, tiveram queda de 4,89%.

Acredita-se que Zuckerberg tenha perdido cerca de US$ 6 bilhões de sua fortuna pessoal quando as ações do Facebook despencaram, de acordo com o software de rastreamento do site de negócios Fortune. Com isso, ele perdeu para Bill Gates a 4ª posição no ranking diário da Bloomberg de pessoas mais ricas do mundo.