PUBLICIDADE
Topo

Sexting

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Bloqueio de conteúdo adulto da Apple proíbe buscas com a palavra "asian"

Gabby K / Pexels
Imagem: Gabby K / Pexels
Felipe Germano

Felipe Germano é jornalista que escreve sobre comportamento humano, saúde, tecnologia e cultura pop. Para encontrar as boas histórias, atravessa o planeta: visitou de clubes de swing e banheiros do sexo paulistanos à sets de cinema hollywoodianos. Já trabalhou nas redações da Jovem Pan, do site Elástica, na revista Época e na revista Superinteressante.

05/02/2021 04h00

A ferramenta de bloqueio de conteúdo adulto em plataformas iOS não permite qualquer busca envolvendo a palavra "asian". (asiático ou asiática, em português).

Imaginada para ajudar pais a impedirem que seus filhos vejam conteúdos inapropriados, e para aqueles que estão tentando diminuir o consumo de pornografia, a ferramenta "Limitar Sites Adultos" não dá muita margem à interpretação sobre quais páginas deveriam ser bloqueadas. Ainda assim, a ferramenta vincula todo um continente à pornografia. Buscas simples como "asian food" (comida asiática) ou "asian countries" (países asiáticos) acabam bloqueadas.

"A gente precisa se perguntar o porquê dessa associação. E isso tem a ver, sobretudo, com a forma que a pornografia mainstream categoriza esses corpos e os vendem como um fetiche", afirma Hugo Katsuo, cineasta e pesquisador da UFF (Universidade Federal Fluminense) no tema da relação entre racialização e pornografia. "Aqui entendemos o fetiche racial como sendo uma forma de desejo pautado na objetificação da raça", completa.

Em testes feitos por mim, o bloqueio impediu imediatamente todas as buscas envolvendo o termo em inglês, mas "asiático" e "asiática" (em português) não foram barrados.

Mesmo em inglês, o bloqueio de termos relativos que poderiam estar ligados à geografia ou à pornografia não é absoluto. Termos como "French" (francês/ francesa), "Arab" (árabe), "Brazilian" (brasileiro/ brasileira) ou "Lesbian" (lésbica), não foram censurados.

Termos altamente ligados ao pornô como, "amateur" (amador), "teen" (adolescente) e "massage", vale ressaltar, foram todos barrados.

Mãos cobrem rosto de jovem - Alycia Fung / Pexels - Alycia Fung / Pexels
Imagem: Alycia Fung / Pexels

"A vinculação da palavra 'asian' com conteúdo pornô me ressoa a ideia da exotização do corpo asiático feminino, principalmente", afirma Mayara Araújo, pesquisadora do Centro de Estudos Asiáticos da Universidade Federal Fluminense.

"E é uma questão interessante, porque a percepção sobre 'corpos asiáticos' me parece ter mudado um pouco nos últimos anos por conta da celebrização de grupos de k-pop no Brasil e de conteúdo audiovisual sul-coreano. Mas tudo muito no âmbito do exótico, do fetiche", completa.

A Apple foi procurada mas, até a publicação desta nota, não havia se pronunciado. Se este cenário mudar, o conteúdo será atualizado com a resposta.

"Os sites pornôs mainstream categorizam seus vídeos por hashtags que racializam os vídeos pornôs protagonizados por pessoas não-brancas.", afirma Katsuo "A pessoa branca, nessa dinâmica, é tão universal que não precisa ser categorizada".

Os termos "white" (branco/ branca), "Caucasian" (caucasiano/caucasiana), "American" (americano/ americana), e "European" (europeu, Europeia) não são bloqueados pela ferramenta.