PUBLICIDADE
Topo

Denise Tremura

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Bandeira LGBTQIA+ vira treta em prédio, mas final emociona geral no Twitter

Jovem pendurou a bandeira na varanda como forma de protesto - Reprodução/ Twitter/ @guigscarvalho
Jovem pendurou a bandeira na varanda como forma de protesto Imagem: Reprodução/ Twitter/ @guigscarvalho
Conteúdo exclusivo para assinantes
Denise Tremura

Denise Tremura estudou Letras, é escritora, blogueira, leitora, twitteira, youtuber, palpiteira, web influencer engajada nas redes sociais e sempre atenta ao que vira tendência.

16/09/2021 04h00

Uma thread sobre um protesto solitário nas comemorações de 7 de setembro deixou os internautas encantados. A bandeira que representa a comunidade LGBTQIA+ ficou exposta na varanda de um jovem enquanto o país vivia atos pró-Bolsonaro em que manifestantes ostentavam as cores verde e amarela.

O autor do tuíte é Guilherme Carvalho Melo, 28 anos, advogado de Manaus. Ele conta à coluna que estendeu a bandeira como forma de protesto porque acredita na força dos símbolos. A situação teve um desdobramento que chegou a assustar Guilherme, mas que depois se mostrou um grande símbolo de solidariedade e esperança.

"Ver as ruas, varandas, janelas, carros, lojas e pessoas ostentando o verde e amarelo na semana da pátria, mas pelos motivos errados, e em período pós-olimpíadas, quando começávamos a nos reconectar com a bandeira, talvez tenha potencializado a revolta das pessoas", diz.

Segundo ele, as pessoas enxergam na bandeira LGBTQIA+ algo além do que a identificação de um grupo.

"A bandeira na minha varanda gerou nos meus vizinhos sensação de pertencimento. A carta deles me despertou a mesma coisa e acabou que nos retroalimentamos desses sentimentos. A mesma coisa, mas em maior escala, aconteceu com o post. Todos ali não se sentiram sós", afirma.

Guilherme ficou surpreso demais ao ler a carta e chorou de alívio.

"Nós, LGBTs, estamos sempre em posição de alerta para nos defendermos. A primeira coisa que fiz ao ver o envelope foi tirar fotos para eventualmente provar o cometimento de um crime, e depois fiquei encarando ele porque eu estava com medo de abri-lo e ter algum veneno lá. Falando desse jeito parece uma exagerada teoria da conspiração, ocorre que desde a infância nós somos confrontados com situações tão absurdas que nossos corpos e mentes foram talhados à sobrevivência", diz.

O advogado conta que já sofreu preconceito por ser LGBT, mas de forma amena e velada. "Logo no começo da faculdade, com uns 18, 20 anos, ouvia muito: 'ele é gay, mas é super inteligente' ou 'ele fala tão bem, pena que é gay'. E na hora, isso me dava uma falsa sensação de pertencimento, além de massagear o meu ego porque tomava como elogio. Com o tempo passou a me incomodar", lembra.

Para ele, tão importante quanto perceber que sofreu preconceito é compreender quando se pratica. "Só assim evoluímos verdadeiramente e conseguimos fazer essa roda de retrocessos parar de girar".

O advogado atribui o preconceito que a comunidade LGBTQIA+ sofre principalmente à falta de informação. "Se sentimos medo de algo é porque acreditamos, ainda que involuntariamente, que aquilo nos ameaça de alguma forma. O medo a que eu me refiro vai desde o mais ameno, como um desconforto, até a fobia. Só compreendemos aquilo que nos é ensinado", afirma.

Ele diz que é muito importante ocupar espaço, quer seja nas ruas, empresas, mídia, arte, política, esporte, órgãos públicos ou varandas. Só assim essas estruturas continuarão a ruir e serão substituídas por outras.

"Ver a bandeira LGBT estendida lembra que você não está só. Que há mais como você por aí. Que ocupamos lugares. Que certas noções e atitudes não têm espaço ali. A conquista de direitos passa pela visibilidade e eu não quero que o meu amor e dos meus seja novamente posto no armário", finaliza.

Na noite de ontem (15), o jovem compartilhou mais um desdobramento dessa história com final feliz.