Topo

eSport


João Cozac: o ex-tenista que hoje cuida da mente dos pro-players

João Cozac é psicológo de quatro times de eSports - Reprodução
João Cozac é psicológo de quatro times de eSports Imagem: Reprodução

Bruno Izidro

Do START, em São Paulo

26/08/2019 04h00

No último mês, João Cozac virou assunto no cenário de eSports brasileiro. Tenista aposentado e psicólogo esportivo há mais de 30 anos, ele recentemente mudou o foco do seu trabalho para os esportes eletrônicos, e parece não se arrepender disso.

Atualmente, ele é psicólogo não de um, mas de quatro equipes brasileiras: os times masculino e feminino de "League of Legends" da VIVO Keyd e as equipes da MIBR de "CS:GO" e "Rainbow Six Siege". Ao START, ele falou sobre como a psicologia está ajudando nos esportes eletrônicos.

Do esporte para o eSport

Depois que se aposentou das quadras de tênis, Cozac fez sua carreira como psicólogo de esportes tradicionais e trabalhou em diversas modalidades, desde times de futebol como Palmeiras, Corinthians e Cruzeiro, até com pilotos de Fórmula 1.

Já no começo de 2018, ele recebeu o convite da VIVO Keyd para cuidar da mente e do emocional dos jogadores do time de "Legue of Legends" da organização, na época em que o time estava com a chamada formação "Exódia" com Revolta, Yang, Micão, Jockster e Tockers. O psicólogo, que ganhou o nick de "DoctorZac" na área de eSports, viu uma oportunidade de atuar em uma área na qual já tinha interesse.

DoctorZac entrou para ajudar o time da VIVO Keyd em 2018 - Divulgação/VIVO Keyd
DoctorZac entrou para ajudar o time da VIVO Keyd em 2018
Imagem: Divulgação/VIVO Keyd

"Eu sempre entendi os esportes eletrônicos como uma modalidade de muita exigência no plano psicológico e no plano emocional", conta Cozac. "E existe um engano quando as pessoas dizem que não há também uma demanda física (nos eSports), há sim, porque é preciso uma preparação física adequada para que o cansaço físico não gere um cansaço mental"

As demandas psicológicas são mais exigidas nos esportes eletrônicos (do que nos esportes tradicionais) porque você tem que pensar o tempo inteiro, é pensamento e ação.

Seja no "LoL", no "Rainbow Six Siege" ou no "CS:GO", o psicólogo encara os jogadores como atletas e trabalha com eles da mesma forma em que atuava com os times de futebol, por exemplo. Mas não se engane em pensar que o trabalho se resume a conversas e sessões de terapia.

Cozac diz trabalhar bastante com exercícios de respiração e equipamentos que melhoram o foco e concentração, além de diminuir a ansiedade e o estresse dos jogadores.

"A neuropsicologia, que aborda as emoções e pensamentos, é algo comum nessas equipes e esses aparelhos e técnicas estimulam áreas neurológicas que os atletas acessam a todo instante durante as partidas".

O objetivo, segundo Cozac, é melhorar os reflexos e tempo de resposta neuromuscular dos jogadores para eles conseguirem dar aquele flash certeiro na hora da fuga no "League of Legends" ou ter a frieza de executar um clutch preciso no R6 ou CS:GO.

O psicológo também curte jogar os games em que atua para entender as frustações e emoções que os jogadores sentem atrás do mouse e teclado. Segundo ele, está mais acostumado com LoL, onde pode ser encontrado com o nickname "DoctorZac", mas também já está dando seus tiros em "CS:GO" e "R6".

"Uma coisa é estudar e ler (sobre o jogo), outra coisa é você estar lá no mapa, conhecendo os campeões, vendo a mobilidade, como é o nível e o grau de resposta e tempo de reação do atleta", diz.

A outra parte do trabalho de Cozac é de orientação psicológica, algo que o preocupa bastante, principalmente nos times de "League of Legends", em que é comum os jogadores ainda serem adolescentes ou terem menos de 20 anos e já serem expostos a uma visibilidade muito grande em redes sociais e na mídia.

"A orientação psicológica é muito importante dada a fase do desenvolvimento em que esses atletas estão, a visibilidade, a questão da fama, da mídia, (por isso) a gente procura sempre reforçar o senso de realidade com eles".

O nível de cobrança e de pressão que existe dentro do eSport é alto, por isso é importante um trabalho permanente (de psicologia).

Malabarismos entre equipes

Psicólogo com Fer e Taco, jogadores da MIBR - Reprodução
Psicólogo com Fer e Taco, jogadores da MIBR
Imagem: Reprodução
Mesmo após ser anunciado como psicólogo nos times da MIBR, João Cozac decidiu permanecer trabalhando também com a VIVO Keyd, em um malabarismo que ele consegue fazer graças à internet, realizando as consultas por conversas no Skype.

Recentemente, por exemplo, ele estava presencialmente acompanhando o time masculino da VIVO Keyd na final da segunda etapa do Circuito Desafiante 2019, mas remotamente estava conversando com o time de "Rainbow Six Siege" da MIBR, que estava participando do Six Major de R6 nos EUA.

"Agora que vou para a Europa acompanhar (o time de CS:GO da) MiBR no major e eu começo a falar com a Vivo Keyd (que vai disputar a série de Promoção para tentar subir para o CBLoL) por Skype", conta. "É uma gincana para construir os horários, mas a atenção e a demanda dos times são sempre contínuas".

SIGA O START NAS REDES SOCIAIS

Twitter: https://twitter.com/start_uol
Instagram: https://www.instagram.com/start_uol/
Facebook: https://www.facebook.com/startuol/
TikTok: http://vm.tiktok.com/Rqwe2g/
Twitch: https://www.twitch.tv/start_uol

Mais eSport