Topo

eSport


MiBR chega para o "major" de CS:GO com psicólogo, mas sem favoritismo

MiBR chega como "underdog" na StarLadder de Berlim - Reprodução
MiBR chega como "underdog" na StarLadder de Berlim Imagem: Reprodução

Bruno Izidro

Do START, em São Paulo

14/08/2019 04h00

Resumo da notícia

  • Time brasileiro disputa o StarLadder Berlim, que vai de 23 de agosto a 8 de setembro
  • Em entrevista ao START, Fallen e zews falam sobre expectativas para o torneio e papel do psicólogo do time
  • Depois de troca de jogadores, equipe tenta se adaptar para voltar ao topo
  • INTZ e Furia são outros dois representantes do Brasil no "major" de Berlim

O maior time de "Counter-Strike" do Brasil segue para mais um grande torneio mundial, mas não se vê como favorito. Para a Made in Brazil (MiBR), importante agora é manter o status de "Legend", ficando entre os oito primeiros da StarLadder Berlim, o que garante vaga no próximo torneio "Major" e mais tempo para acertar o time, que ainda se adapta às mudanças recentes.

Antes de partirem para o desafio na Alemanha, Gabriel "Fallen" Toledo e Wilton "zews" Prado conversaram com o START por telefone.

Reconstruir para conquistar

Coldzera (esquerda) foi para a reserva e o técnico zews (centro) está em seu lugar para completar o time - Reprodução
Coldzera (esquerda) foi para a reserva e o técnico zews (centro) está em seu lugar para completar o time
Imagem: Reprodução

A equipe separou um tempo entre as viagens, treinamentos e compromissos da patrocinadora Betway para falar sobre as expectativas para o torneio e preparação psicológica.

Mas como um time que tem algumas das lendas dos eSports não é favorita? Sim, a MiBR ainda é um dos melhores do mundo, atualmente em 13º no ranking da HLtv, mas passou por mudanças inesperadas nos últimos meses.

No final de junho, o time trouxe Lucas "Lucas1" Neves, que substituiu João "felps" Vasconcellos, em uma mudança que exige tempo de adaptação do jogador e do time. Logo depois veio a bomba: a ida de Marcelo "Coldzera" David, indiscutivelmente um dos melhores jogadores do mundo, para a reserva. Quem assumiu o mouse e o teclado foi o técnico zews, que desde então disputou a BLAST Pro Series Los Angeles e a IEM Chicago, e segue como titular para o torneio de Berlim.

Com essas mudanças, não é de se admirar que a MiBR esteja longe do favoritismo e aparecendo mais como azarão. "Acho que isso pode servir de motivação. No final, podemos surpreender os adversários", diz zews. "Mas se perdermos, não vai acabar com a gente também".

No final, podemos surpreender os adversários. Mas se perdermos, não vai acabar com a gente também
zews, técnico e jogador da MiBR

O técnico-jogador conta que o objetivo para Berlim é permanecer com o status de "Legends", ou seja, estar entre os oito melhores ao fim da competição e, assim, conseguir automaticamente vaga para o próximo major, que só deve acontecer em 2020, sem passar por qualificatórias.

"Devemos jogar mais leves, sem pressão, já que as expectativas estão baixas", completa Fallen.

Devemos jogar mais leves, sem pressão, já que as expectativas estão baixas
Fallen, jogador da MiBR

Em 2019, a MiBR teve um primeiro semestre instável. Na BLAST Pro Series de São Paulo, disputada no Ginásio do Ibirapuera, a expectativa da torcida era grande, até pela chance rara de ver o time jogando em casa. O resultado, porém, foi o sexto e último lugar, com 5 derrotas. De lá pra cá, a MiBR conseguiu o terceiro lugar em torneios como BLAST Pro Series Miami, IEM Sydney e IEM Chicago, reacendendo a esperança dos torcedores. Se os títulos não vinham, pelo menos a garra sempre esteve lá.

O sexto jogador

Reprodução
Imagem: Reprodução

Algumas mudanças, porém, vieram para reforçar, e não abalar, as estruturas. Em julho, a organização anunciou a contratação de um psicólogo: João Cozac, especializado em psicologia esportiva, com trabalhos junto a Palmeiras, Corinthians e até Vivo Keyd, passaria a acompanhar o time.

O novo integrante é considerado alguém tão importante quanto um novo player dentro do jogo. Como diz Fallen: "A gente percebeu que esse apoio psicológico poderia ter ajudado muito antes, quando passamos por problemas também. Agora o João vai acompanhar a gente presencialmente em Berlim".

Mesmo com pouco tempo de trabalho com o psicólogo, Fallen diz que o time está melhor emocionalmente.

Enquanto isso, crescem as expectativas sobre os próximos passos de "Coldzera", que está em negociações com outras equipes, e da própria MiBR, que até chegou a fazer brincadeiras e suspense no Twitter, mas ainda não comentou oficialmente sobre um possível novo integrante.

Em entrevista à ESPN eSports Brasil, Cold se disse chateado pelo comportamento dos ex-companheiros de time após sua saída. "Não são quatro anos de amizade, são quatro anos de respeito. Eles perderam um pouco de respeito comigo e eu nunca perdi o respeito com eles", disse.

Na entrevista ao START, a assessoria alertou que o time não responderia perguntas sobre o assunto.

A batalha de Berlim

Além da MiBR, o Brasil tem mais dois representantes na StarLadder Berlim: INTZ e Furia conseguiram se classificar depois de disputas intensas nos últimos meses, carimbando as vagas em repescagens. No total, serão 24 times no torneio, que vai de 23 de agosto a 8 de setembro, e uma premiação total de US$ 1 milhão.

Será um torneio cheio de surpresas, mas, se depender da MiBR, já sabemos que não vai faltar emoção.

Para ficar por dentro de mais notícias, gameplays insanos e também trocar uma ideia com o START, é só seguir a gente no YouTube, Twitter e Instagram!

Mais eSport