PUBLICIDADE
Topo

Ricardo Feltrin

RedeTV reduz salários, mas gasta R$ 10 mil em vinhos europeus

Amilcare Dallevo e Marcelo de Carvalho são os acionistas da RedeTV! - Divulgação
Amilcare Dallevo e Marcelo de Carvalho são os acionistas da RedeTV! Imagem: Divulgação
Ricardo Feltrin

Ricardo Feltrin é colunista do UOL desde 2004. Trabalhou por 21 anos no Grupo Folha, como repórter, editor e secretário de Redação, entre outros cargos.

Colunista do UOL

21/10/2020 07h56

Apesar de ter prolongado a redução salarial de seus funcionários contratados ou PJs em até 35%, e "por tempo indeterminado", devido ao que chama de "tempos desafiadores" , a direção da RedeTV mantêm seus hábitos finos e gestão intocados.

No mesmo mês em que decidiu que todos seus quadros teriam a redução salarial 25%) estendida, a emissora segue gastando com itens caros.

O corte de salários é justificado pela emissora devido à queda de faturamento com a pandemia de coronavírus.

Enquanto isso, nota fiscal obtida pela coluna mostra que num só dia de outubro (1º) um cartão bancário da TV Ômega (a concessionária da RedeTV) gastou quase R$ 10 mil em finos vinhos e espumantes europeus.

Foram 16 garrafas de espumante Henri Bourgeois Petit Brut; 18 garrafas do mesmo Henri, só que versão Sauvignon Blanc; além de vinhos italianos como o Mazzei Codice V. Vermentino e o Fanti Rosso (tinto).

No total foram R$ 10.854,40 em bebidas premium, mas a loja deu um desconto de R$ 1.621,95 aos assíduos compradores.

A imagem da nota fiscal está circulando desde ontem entre funcionários, que se dizem "coagidos" a aceitar a redução salarial, e foi enviada pela coluna à emissora, para que se manifestasse.

A direção da RedeTV justificou a compra em declaração à coluna (veja íntegra ao final do texto):

"Em tempos desafiadores, as empresas buscam aumentar suas receitas (fazendo negócios) e diminuir seus custos", afirma. Ou seja, vinho para fechar negócios, e corte de salários para baixar custos.

Alguns funcionários foram ouvidos pela coluna desde ontem, sob anonimato. Eles dizem ter certeza da retaliação, caso se identifiquem.

O valor parece pequeno, afirmam eles, mas trata-se de uma única compra em um único dia. Além disso há imagens de outras notas e outros gastos em circulação.

A RedeTV tem uma luxuosa e bem abastecida adega em sua sede em Osasco. A emissora conta até com um bar para convidados.

Segundo o Sindicato dos Jornalistas, até esta terça-feira (20) ao menos 20 funcionários registrados em carteira se recusaram a assinar o prolongamento da redução salarial. Ainda não se sabe o destino deles.

Outro lado

A coluna questionou a emissora sobre a nota fiscal em circulação e recebeu a seguinte resposta (indelicada):

"Caro Feltrin:

Sua pergunta sobre 9.500 reais de vinhos é tão pequena que não mereceria resposta. Porém, dado o compromisso de publicá-la na íntegra, vamos lá.

A RedeTV! mantém em sua central de produção dois restaurantes, uma lanchonete, além de food-trucks. No restaurante que serve ao departamento comercial são recebidos agências, clientes, entidades de mercado.

De tempos em tempos compra-se vinho. Mas, também, pão, arroz, feijão, macarrão, queijo, ovo, manjericão (o ridículo da pergunta enseja a tentação de discorrer sobre quantas centenas de itens são adquiridos).

Você, que já almoçou aqui, nesse restaurante a que se refere, deveria saber que networking entre empresas e seus clientes gera bons frutos e alavanca as receitas.

Uma outra emissora, por exemplo, deve com certeza gastar bem mais que 9.500 reais de vinhos, visto que no passado praticamente "comprou" para sua sede todo o restaurante do chef Massimo, por décadas um dos mais luxuosos de São Paulo.

E em tempos desafiadores, as empresas buscam aumentar suas receitas (fazendo negócios) e diminuir seus custos.

Por exemplo, já que você é tão diligente em auditoria, quantas vezes esse pedido de vinhos equivaleria ao salário de Tarcísio e Glória, cortados recentemente?"

Réplica da coluna

Como Tarcísio e Glória vieram parar nos gastos da RedeTV?

Ricardo Feltrin no Twitter, Facebook, Instagram e site Ooops

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL