Conteúdo publicado há 20 dias

Depois de 'roubar' Oscar brasileiro, ator italiano rouba também protagonismo do papa

O ator e diretor italiano Roberto Benigni roubou neste domingo o protagonismo do papa Francisco com um monólogo humorístico de 30 minutos, durante a missa de encerramento da primeira Jornada Mundial das Crianças no Vaticano.

Roberto Benigni, que venceu o Oscar de melhor ator e de filme em língua estrangeiro em 1999 por "A Vida é Bela", deu um toque de alegria ao final de uma cerimônia essencialmente religiosa. Ele saudou "todas as pessoas importantes" e fingiu que esqueceu o papa.

Após as risadas do público, o ator imediatamente se voltou para o pontífice e disse: "Gostaria de abraçá-lo ou dançar um tango, já que você é argentino".

"Antes de entrar, dois guardas suíços se aproximaram de mim e disseram: senhor Benigni, você pode fazer qualquer coisa, só não pode fazer uma coisa: você não pode tocar no papa. Um beijo, posso dar um beijo, para que servem os beijos se não podem ser dados?", acrescentou o ator, antes de se aproximar do pontífice e beijá-lo nas duas bochechas.

Benigni prosseguiu com o mesmo tom durante meia hora, alternando humor e conselhos às crianças, propondo que o pontífice fosse seu companheiro de chapa em uma candidatura à próxima eleição papal, ou pedindo aos pequenos que alimentem seus sonhos, porque entre eles pode estar o primeiro papa africano ou asiático, ou a primeira mulher papa.

Francisco já havia encerrado a primeira Jornada Mundial das Crianças com uma missa tradicional na Praça de São Pedro, na presença de dezenas de milhares de fiéis, crianças e pais.

O papa argentino, de 87 anos, começou a missa, que também contou com a presença da primeira-ministra italiana, Giorgia Meloni, com pedidos para que as crianças "rezem pela paz" e substituindo, no último momento, uma longa homilia por uma breve aula de catecismo.

© Agence France-Presse

Deixe seu comentário

Só para assinantes