Conteúdo publicado há 1 mês
OpiniãoMúsica

Herdeiro legítimo do pós-punk, fúria do Squid explode em êxtase no C6 Fest

Um show furioso, elétrico e divertido. Assim foi a passagem do Squid pelo C6 Fest, na tarde deste domingo (19), em São Paulo.

As guitarras são altas, há um teclado para dar um charme, e uma bateria que martela o ritmo das músicas cantadas por Ollie Judge (também baterista).

É um tipo de música que pode não agradar quem procura canções melódicas, mas é um rock criativo, ousado e surpreendente.

Squid é um legítimo herdeiro do pós-punk popularizado por nomes como Gang of Four, Wire e Killing Joke, e que hoje ganha nova vida através de bandas como Idles, Fontaines DC e Parquet Courts.

A banda Squid se apresentou neste domingo (19) no C6 Fest
A banda Squid se apresentou neste domingo (19) no C6 Fest Imagem: Marcio Mercante/Divulgação

A apresentação é baseada no segundo disco, "O Monolith" (2023). "Swing (In a Dream)" dá o início e resume bem como são construídas boa parte das músicas da banda, com uma tensão rítmica que vai crescendo aos poucos.

Já "If You Had Seen the Bull's Swimming Attempts You Would Have Stayed Away" mostra um Squid mais livre, desconstruindo padrões e se aproximando da experimentação de bandas como Sonic Youth.

Vocalista da banda Squid com sua bateria em performance no C6 Fest, em São Paulo
Vocalista da banda Squid com sua bateria em performance no C6 Fest, em São Paulo Imagem: Micaela Wernicke/UOL
Continua após a publicidade

As melodias são intrincadas, se desenrolam por caminhos nada óbvios. Às vezes, parece que estamos em um show de free jazz. Ou um free rock-jazz.

O show permanece com a energia lá em cima, até a ótima parte final, com "Paddling", "Pamphlets" e "The Blades", em que a fúria sonora do Squid explode em êxtase.

Opinião

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Deixe seu comentário

Só para assinantes