PUBLICIDADE
Topo

Seita obrigou meninas de 12 anos a se casarem com primos mais velhos

"Rezar e Obedecer" conta a história da seita FLDS, que envolve abusos físicos e psicológicos - Divulgação/Netflix
'Rezar e Obedecer' conta a história da seita FLDS, que envolve abusos físicos e psicológicos Imagem: Divulgação/Netflix

De Splash, em São Paulo

18/06/2022 10h12

Um culto religioso em que mulheres são doutrinadas para acreditar que precisam ser "propriedade dos homens" está sendo exposto em um novo documentário da Netflix, chamado "Rezar e Obedecer".

A seita, comandada inicialmente por Rulon Jeffs e depois por um de seus filhos, Warren Jeffs, pregava a poligamia para que os homens pudessem se casar com muitas mulheres e gerar filhos. Muitas vezes elas eram forçadas ao matrimônio e à vida sexual ainda quando crianças ou adolescentes.

O documentário conta que garotas de 12 anos foram obrigadas a se casarem até mesmo com seus próprios primos.

Em entrevista para o documentário, Elissa Wall conta que tinha 14 anos quando foi obrigada a se casar com um primo mais velho, que cometia abuso sexual contra ela constantemente.

O culto foi alvo de uma operação policial em 2008, e existia em um rancho no Texas. Tratava-se da seita poligâmica Igreja Fundamentalista de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, conhecida como FLDS.

"Eu falava para ele que não queria que ele me tocasse, e não queria tocá-lo, nem dormir na mesma cama que ele", recorda Elissa. "Eu era bastante vocal quanto à minha resistência."

Ela se lembra de não entender o que estava acontecendo quando ele forçava sexo.

"Em uma noite específica, ele me disse que era direito dele e o meu dever, então ele fez sexo comigo. A pior parte pe que eu não sabia o que estava acontecendo."

O documentário tem 4 episódios e apresenta uma visão detalhada da misteriosa seita, com direção de Rachel Dretzin, vencedora do Emmy e do Peabody.