PUBLICIDADE
Topo

Morre aos 101 anos Eddie Jaku, autor de 'O Homem Mais Feliz do Mundo'

Eddie Jaku sobreviveu à Noite de Cristais, ao encarceramento nos campos, a Josef Mengele e à "Marcha da Morte" - Katherine Griffths
Eddie Jaku sobreviveu à Noite de Cristais, ao encarceramento nos campos, a Josef Mengele e à 'Marcha da Morte' Imagem: Katherine Griffths

12/10/2021 12h08

Morreu hoje aos 101 anos Eddie Jaku, que se auto intitulava "O Homem Mais Feliz do Mundo", mesmo nome do livro dele lançado no ano passado. Jaku era judeu alemão e era um dos poucos sobreviventes ainda vivos do Holocausto.

Jaku sobreviveu à Noite de Cristais de 1938, ao encarceramento nos campos de Buchenwald e Auschwitz, a Josef Mengele e à "Marcha da Morte". Foi encontrado delirando e pesando menos de 30 kg por soldados americanos ao fim do conflito, em junho de 1945.

Durante o período em que esteve escondido, em uma caverna, alimentou-se de lesmas e caracóis. Ainda assim, diz ele, em entrevista à BBC, que não odeia seus torturadores.

"Odiar alguém é uma doença. Destrói seu inimigo, mas, no processo, te destrói também." Em vez disso, Jaku diz ter escolhido o caminho da felicidade, baseando sua vida no tripé "esperança, saúde e alegria".

"A felicidade é a única que dobra quando você compartilha com alguém", dizia. "Sou o mais feliz porque fui condenado a morrer. Quando botaram um número no meu braço esquerdo, virei um número, achei que não fosse sobreviver. Quando saí do hospital, prometi que ajudaria o próximo, seria bondoso, faria tudo o que os alemães não fizeram por mim. Essa é minha vitória".

Jaku emigrou para a Austrália em 1950, onde vivia até hoje com a mulher, Flore, com quem estava casado há 74 anos, os filhos, netos e bisnetos.

O Museu Judaico de Sydney postou uma homenagem ao autor no Twitter:

'Esta é a minha mensagem, enquanto eu viver, ensinarei a não odiar.' O falecimento do sobrevivente do Holocausto Eddie Jaku deixou enorme vazio no coração da 'família' do Museu Judaico de Sydney. O impacto de Eddie, como o 'homem mais feliz do mundo', será sentido nas gerações vindouras'Museu Judaico de Sydney

Jaku também tinha uma famosa palestra do TED feita em 2019, quando ele tinha 99 anos, e onde ele contava a sua história de amor e de sobrevivência.