PUBLICIDADE
Topo

Pedro Antunes

Do samba rock ao Art Popular e Belo, Rick Lobisomem foi um gigante

Rick Lobisomem Batera, um gigante do pagode paulistano - Acervo Pessoal
Rick Lobisomem Batera, um gigante do pagode paulistano Imagem: Acervo Pessoal
Conteúdo exclusivo para assinantes
Pedro Antunes

Pedro Antunes, ou "Pô Antunes" pra quem só me conhece pelo Instagram, é jornalista, apresentador, curador e crítico de música e cultura pop desde 2010. Escreveu no Jornal da Tarde, Estadão e foi editor-chefe da Rolling Stone Brasil. Fez mais entrevistas do se lembra, tem um "novo disco favorito" por semana e faz mini-análises de álbuns no programa Tem um Gato na Minha Vitrola, no perfil @poantunes.

Colunista do UOL

06/07/2021 17h36

Sem tempo?

  • Morreu aos 58 o grande Ricardo Ely Baldino, também conhecido como Rick Lobisomem Batera.
  • Depois de um início no samba-rock, nos anos 1980, Rick se tornou fundamental para o samba e pagode.
  • Além de tocar bateria no Fundo de Quintal, Rick fez escola no pagode paulista, passando por gravações de Art Popular, Belo, Os Travessos e outros.
  • ?Rei do suingue?, disse Belo nas redes sociais.
  • O maior baterista de samba de todos os tempos, escreveu Leandro Lehart.

Não é por acaso que os maiores nomes do samba e do pagode prestaram homenagem a Ricardo Ely Baldino, o conhecido Rick Lobisomem, morto aos 58 anos.

Embora falte à música brasileira um registro decente e a uma documentação dos seus artistas excepcionais, Lobisomem deixou um legado com grandes momentos durante os anos 80, 90 e 2000.

Rick tinha 19 anos quando integrou o Grupo Pesquisa, especializado em samba rock. Na foto abaixo, ele é o quarto da esquerda para a direita. Saca só o estilo da turma.

É possível ouvir as músicas do álbum abaixo. No álbum, ele canta e toca percussão.

É importante entender que, na virada de década, o samba rock passava por uma transformação após o auge dos bailes black dos anos 70. O que Rick e o grupo faziam ali era ampliar as possibilidades estéticas do gênero.

Ainda nos anos 1980, Lobisomem viveu no Japão por um ano, voltou em 1986 e integrou o grupo Clave de Fá. Foi integrante também do Fundo de Quintal antes da chegada do também icônico Ademir Batera, no grupo até agora.

A partir dos anos 1990, o nome de Rick Lobisomen passa a aparecer em discos fundamentais para a popularização do samba e pagode nacional.

Álbuns como "Muleke Travesso", que deu nome ao grupo que antecedeu ao Os Travessos, e "O Canto da Razão", do Art Popular, ambos lançados em 1993, marcam o início de Rick no pagode paulista.

Do Muleke Travesso temos esse hit aqui:

Já o "O Canto da Razão" é a estreia do Art Popular, que venceu 170 mil cópias (um número considerável na época) e apresentou o Leandro Lehart ao mundo.

Aqui está o "O Canto da Razão" (quero ver ficar parado com esse "lalaiá"):

Com Lehart e companhia, aliás, Rick gravou vários álbuns, inclusive em "Temporal", de 1996, o disco de "Pimpolho".

Na escola do pagode paulistano noventista, Rick era rei, de Os Travessos ("Nossa Dança", de 1997) a Sensação ("Sensashow (Ao Vivo)"). Nos anos 2000, tocou com Exaltasamba, Chrigor e mais frequentemente Belo.

Rick também fez carreira como cantor e gravou o single solo "Olha Pra Mim", apresentado no Estúdio Showlivre em 2016 e disponível nas plataformas de streaming.

O single é cheio de groove, como é de se esperar.

Belo, quem Rick acompanhava nos últimos tempos, chamou o músico de "rei do suingue".

Já Lehard revelou que o músico gravou no mais novo álbum do Art Popular, "Batuque Magia": "Como se fosse uma despedida você gravou o "batuque de magia", o nosso reencontro que eu imaginava que duraria por tanto anos", escreveu o artista no Instagram.

"Um dos maiores músicos que eu já vi nessa vida, o maior baterista de samba de todos os tempos", concluiu.

Um gigante que se foi antes de voltar aos palcos e aos shows, vítima de um ataque cardíaco. Uma pena.