PUBLICIDADE
Topo

Com tanto barraco, Ratinho é o narrador ideal para Fla-Flu no SBT

Futebol no SBT é coisa de louco - Reprodução
Futebol no SBT é coisa de louco Imagem: Reprodução
Chico Barney

Entusiasta e divulgador da cultura muito popular. Escreve sobre os intrigantes fenômenos da TV e da internet desde 2002.

Colunista do UOL

11/07/2020 13h42

Graças a uma sequência intrincada de acontecimentos, o SBT voltará a transmitir um jogo de futebol depois de muito tempo. A partida será um Flamengo e Fluminense na final do campeonato carioca.

O imbróglio é longo e um tanto aborrecido. Depois de encampar uma briga contra a Globo, o Flamengo conseguiu fazer com que a emissora abrisse mão da transmissão do campeonato. Mas está bastante claro que não tinha um plano para o que acontecesse depois disso.

De lá para cá, ao longo da última semana, teve jogo no YouTube, tentativa de fazer os torcedores pagarem para assistir em um streaming meia-boca e briga com o Fluminense pelo direito de dividir a audiência do jogo mais recente. Uma confusão.

E falou em confusão, pensou em Carlos Massa. Dado o momento especialmente mambembe do futebol no Rio de Janeiro, e não vou nem entrar no mérito dos jogos estarem acontecendo durante uma pandemia, acredito que o apresentador Ratinho seria o mestre de cerimônias ideal para o jogo.

O SBT não possui uma equipe especializada nesse tipo de serviço. Parece que vai tentar o Téo José, que é contratado da Fox, mas o UOL Esporte indica que a Disney não deverá liberá-lo para a missão. Assim sendo, uma solução caseira pode ser o improviso que todo esse barraco merece.

Com Ratinho de narrador, o resto do elenco do programa pode se ocupar das outras funções. Robson Bailarino como repórter de campo, Milene Pavorô no comando da central do apito e Xaropinho como comentarista técnico. Por mim, tudo bem.

E como não poderia deixar de ser, recomendo encerrar com um teste de DNA para descobrir quem fecundou tanto caos no campeonato carioca.

Voltamos a qualquer momento com novas informações.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL