PUBLICIDADE
Topo

Escócia oferece R$ 300 mil para famílias morarem em suas ilhas remotas

Ilha de Orkney, no norte da Escócia - Nigel Roddis/Reuters
Ilha de Orkney, no norte da Escócia Imagem: Nigel Roddis/Reuters

Colaboração para Nossa, em São Paulo

26/05/2022 04h00

Para aqueles que procuram uma vida tranquila, especialmente em lugares exóticos, o governo da Escócia está oferecendo 50 mil libras (cerca de R$ 300 mil) para quem se mudar para alguma de suas ilhas remotas.

O programa consiste em incentivar famílias e pessoas jovens a habitar algumas das ilhas anexadas ao país britânico, como uma tentativa de elevar não apenas o número de moradores, como também os índices de desenvolvimento econômico em comunidades bastante vulneráveis.

As autoridades oferecerão títulos de 50 mil libras para 100 pessoas, envolvendo um investimento total de 5 milhões de libras (R$ 30,3 milhões) para o povoamento, informou o tabloide inglês The Sun.

Várias das 93 ilhas escocesas já foram eleitas como algumas das mais belas do mundo, principalmente o arquipélago de Orkney, no norte, e a Ilha de Skye, no noroeste do país.

Muitas famílias que se identificaram com os locais já começaram a se inscrever, entre elas algumas da América do Sul que também manifestaram interesse - ainda de acordo com o tabloide, que não identificou de que país são os candidatos.

Em entrevista ao jornal Times, Alasdair Allan, representante do parlamento escocês e membro do SNP ("Partido Nacional Escocês", da sigla em inglês), explicou que o esquema é uma das iniciativas encontradas pelo governo de combater com eficiência o despovoamento, que segundo ele, é uma ameaça ao progresso das comunidades insulares.

"Qualquer coisa que possamos fazer para reverter as tendências de despovoamento deve ser incentivada", declarou.

De acordo com Allan, os títulos seriam usados para ajudar as pessoas a se estabelecerem nas ilhas com conforto e em condições para prosperar. "Elas podem comprar casas, iniciar negócios e fazer suas vidas aqui a longo prazo".

Por outro lado, o cenário político encontra-se dividido diante dessa questão, pois alguns representantes apoiam o programa, enquanto outros torcem o nariz para uma medida considerada de "alto custo" para atrair novos habitantes para as ilhas escocesas.

A ministra de Assuntos Rurais, Mairi Gougeon, disse que foi um "passo positivo" para ajudar no desenvolvimento das ilhas. No entanto, o democrata liberal Liam McArthur diz que a iniciativa é falha e que o dinheiro deveria ser gasto em melhorias no transporte público, na infraestrutura e habitação.

"Conexões de transporte precárias, banda larga inexistente e moradias inacessíveis são apenas alguns dos fatores que impedem a prosperidade econômica" apontou. "Em vez de oferecer suborno a indivíduos, os ministros escoceses deveriam se comprometer a investir em projetos que beneficiem as comunidades da ilha como um todo".

Embora seja uma proposta ousada e tentadora, não é a primeira vez que um governo paga pessoas para se mudarem para uma ilha quase deserta.

Em 2019, o governo de uma ilha na Grécia estava oferecendo às pessoas 450 libras (R$ 2.700) por mês para morar lá.

Em 2020, a prefeitura de uma ilha irlandesa propôs bancar a acomodação e alimentação das famílias que se mudassem para seu território. E no ano passado, as autoridades de uma ilha na Cornualha estavam fazendo uma proposta semelhante para aqueles interessados em começar uma nova vida lá, desde que não se importassem em realizar serviços de cozinha e limpeza.