PUBLICIDADE
Topo

Tributo ao mestre: 8 lições do arquiteto Paulo Mendes da Rocha sobre morar

Eduardo Knapp/Folhapress
Imagem: Eduardo Knapp/Folhapress

Carol Scolforo

Colaboração para Nossa

26/05/2021 04h00

Um arquiteto-pensador. Paulo Mendes da Rocha, falecido no último domingo, gostava de refletir sobre o ser humano antes de traçar linhas para um projeto de arquitetura. O arquiteto deixa um legado importante, construído com dedicação, estudo e reflexão.

Em uma entrevista que fiz anos atrás com Paulo, o capixaba que foi laureado com o prêmio Pritzker fez citações que na época não se encaixavam em nenhuma publicação — e agora vêm à tona para inspirar novas gerações de arquitetos. Algumas das lições que ele deixa:

1.
Para criar é preciso cercar-se de conhecimento

"Criar, para mim, nunca foi fácil como alguns querem acreditar. Ao contrário. Quando ganhamos alguma velocidade no projetar, não quer dizer que é fácil. É que aquilo tem sido difícil nos últimos anos e já sabemos, já vivemos aquilo. Assim, convocamos o que presumimos saber. Não gosto da ideia de inspiração, parece que o desenho veio do além.

Criamos com base no que sabemos e com o inconsciente, a parte mais rica do nosso cérebro, que grava com interesse o que nos intriga. No momento oportuno aquilo aparece como contribuição ao seu saber fazer"

paulo mendes da rocha - Eduardo Knapp/Folhapress - Eduardo Knapp/Folhapress
Imagem: Eduardo Knapp/Folhapress

2.
Preste atenção ao seu redor para criar

"Temos códigos muito exíguos: 25 letras, 7 notas musicais, por exemplo. Todos nós temos acesso a isso. Guimarães Rosa e Shakespeare usaram as mesmas letras, o negócio é prestar atenção. Sempre lutei para não ter rotina. A repetição não faz sentido. Se você não usa tudo o que sabe, está atrasado. Se está atrasado, está incomensuravelmente atrasado.

Pinacoteca do Estado de São Paulo, São Paulo - Adriano Vizoni/Folhapress - Adriano Vizoni/Folhapress
Pinacoteca do Estado de São Paulo, São Paulo
Imagem: Adriano Vizoni/Folhapress

3.
As cidade podem ser melhores se persarmos nos seres humanos

"Vejo São Paulo bastante deslocada do que, na minha opinião, é o interesse fundamental da arquitetura como campo de conhecimento. A arquitetura é a construção do habitat humano no planeta. Construir a cidade não é repetir o que já existe. Temos que pensar em recursos técnicos que se empregam para o êxito da mesma coisa, de aliviar a população, aumentar o tempo livre das pessoas, e não construir para ser mais um produto no mercado. Não é que eu saiba o que fazer, mas sei o que não se deve fazer. É possível evitar o desastre".

Clube Atletico Paulistano, São Paulo - José Moscardi/EFE - José Moscardi/EFE
Clube Atletico Paulistano, São Paulo
Imagem: José Moscardi/EFE

4.
É preciso trabalhar por prazer

"Está tudo tão confortável nas nossas vidas que não temos a ideia de um náufrago que se agarra na boia e faz daquilo seu objetivo de sobreviver. Somos preguiçosos. Ninguém faz parte de uma sinfônica porque se dedica nas horas vagas. Deveríamos aprender a não distinguir prazer de trabalho. O trabalho deve ser a máxima perspectiva erótica da sua vida. Aquilo que quando puxam conversa, você nem se distrai. Mas o mercado criou muitas distrações. Isso é um instrumento de dominação".

Retrato do arquiteto Paulo Mendes da Rocha em seu escritorio na rua Bento Freitas em Sao Paulo. Paulo Mendes fara 90 anos ainda esse ano - Eduardo Knapp/Folhapress - Eduardo Knapp/Folhapress
Imagem: Eduardo Knapp/Folhapress

5.
Precisamos reconhecer grandes invenções do dia a dia

"Há uma estação espacial, com habitantes de várias nacionalidades. Quem desenhou aquilo? Quem inventou o elevador? Nunca se ouviu falar, mas usamos todos os dias. O elevador mudou as cidades, tornou prédios altos possíveis".

6.
A boa arquitetura é arte, ciência e técnica

"Fazer arquitetura é unir geomorfologia, endereço e acesso, pensando sempre na cidade. Já que não posso projetar a cidade como quero, posso pensar em como o projeto contribui, realizar a cidade. Em arquitetura não tem nada mais importante que o outro. Não é um pedaço de cada um. É arte, ciência e técnica".

Pavilhão Brasileiro para Expo 70, Osaka, Japão - Reprodução/Arquitectura Viva - Reprodução/Arquitectura Viva
Pavilhão Brasileiro para Expo 70, Osaka, Japão
Imagem: Reprodução/Arquitectura Viva

7.
Modernismo e a urgência de inovar

"De forma geral, não sou muito favorável a movimentos nomeados — modernismo, isso e aquilo. Prefiro imaginar que precisamos sempre ser modernos. Portanto, o que mais me atrai nisso é a ideia de liberdade de dogmas, diante de uma vida que não cessa, diante do conhecimento que se amplia".

"Principalmente hoje em dia com a velocidade da comunicação, pode-se sempre inovar. Não é à toa que a dimensão artística da atitude humana é muito difícil de analisar, de dizer exatamente o que é. É algo indizível, a não ser que seja obrigado a fazer. A arte não está naquele que fala. Somos muito atrasados. Todos devíamos escrever matemática e música".

Residência Fernando Millan, São Paulo - Jorge Hirata/ Divulgação - Jorge Hirata/ Divulgação
Residência Fernando Millan, São Paulo
Imagem: Jorge Hirata/ Divulgação

8.
O que é um projeto residencial bem-feito?

"A única ideia nesse sentido é o endereço adequado. A cidade, e não o edifício isolado. Quando há porta de metrô e outras facilidades perto, eis uma residência invejável. A única virtude incontestável de uma casa é onde ela está implantada. Se eu te disser o que tem na minha casa, não chega a ser invejável. Se eu digo que moro em Ipanema, você vai dizer: 'que desgraçado', mora em um lugar bárbaro. Dentro da residência, você vai ver estilos diferentes. O que faz a casa são os hábitos do morador. O arquiteto só pode construir a cidade. E a cidade terá que ser refeita sempre, porque a vida muda muito".

Os aprendizados que arquitetos brasileiros levam sobre Paulo

1. Generosidade
Por Martin Corullon e Gustavo Pedroni, do Metro Arquitetos

Martin Corullon e Gustavo Pedroni, do Metro Arquitetos  - Divulgação - Divulgação
Imagem: Divulgação

"A grande característica do Paulo que tentamos incorporar na vida é a generosidade. Os projetos dele são generosos, o jeito de lidar com as pessoas também trazia essa generosidade. Na arquitetura, a maior lição dele é ir contra o senso comum, questionando os programas, as demandas e o lugar, sem reproduzir modelos."

Projeto preferido: O pavilhão da Expo de 70 de Osaka

Pavilhão Brasileiro para Expo 70, Osaka, projetado por Paulo Mendes da Rocha - Reprodução/Arquitectura Viva - Reprodução/Arquitectura Viva
Imagem: Reprodução/Arquitectura Viva

" A obra, que foi demolida após a Expo, traz uma grande cobertura em uma construção aberta, que faz referência às origens da arquitetura dele. O teto remete ao da Fau-Usp. É uma síntese da obra dele, representa a natureza e a construção, em oposição e complementaridade"

2. Poder de síntese
Por Marcelo Alvarenga, do Play Arquitetura

Marcelo Alvarenga e Juliana Figueiró, do Play Arquitetura - Henrique Gualtieri/Divulgação - Henrique Gualtieri/Divulgação
Imagem: Henrique Gualtieri/Divulgação

"A maior lição que o Paulo nos deixa é o seu poder de síntese, conseguindo aliar seu humanismo, com questões técnicas e estéticas que envolvem qualquer projeto.

Tudo numa 'resposta' simples, como uma tacada certeira de mestre."

Projeto preferido: Poltrona Paulistano

poltrona cadeira paulistano paulo mendes da rocha - Divulgação - Divulgação
Imagem: Divulgação

"Para mim todos os seus projetos se parecem com um projeto de design de mobiliário, onde as questões técnicas e estéticas são naturalmente mais sintetizadas. Mas arquitetura não, o conjunto de variáveis é enorme, tem clientes e orçamentos complexos, e ele destrincha isso tudo numa resposta de projeto com extrema simplicidade".

3. Domínio da técnica
Por Álvaro Puntoni, do GrupoSP

alvaro puntoni - Reprodução/YouTube - Reprodução/YouTube
Imagem: Reprodução/YouTube

"Paulo Mendes da Rocha foi um pensador e arquiteto que norteia, como um farol em um mar indeciso, tantos outros arquitetos, com suas palavras precisas, com os espaços surpreendentes, com o domínio da técnica. Suas ideias e sua obra permanecem e seguirão orientando".

Projeto preferido: MuBE (Museu Brasileiro da Escultura)

Museu Brasileiro da Escultura (MuBE) - Reprodução - Reprodução
Imagem: Reprodução

"O conjunto de sua obra pensada e realizada é incrível, mas a obra mais admirável seria aquela que ainda não estava projetada, pois certamente seria a convocação de uma ideia intrigante e arrebatadora, que não veremos jamais. Mas acho o MuBR, em São Paulo, adorável. Ao abdicar da solução pavilionar, Paulo sublinha a importância da cidade, topografia e estrutura como os principais artífices deste edifício e, portanto, da arquitetura".

4. O ser humano em foco
Por Caio Bandeira, do Architects + Co

Caio Bandeira, do Architects + Co - Divulgação - Divulgação
Imagem: Divulgação

"Quando fui estudar arquitetura na Espanha, o único livro de arquitetura brasileira que levei foi o de Paulo Mendes da Rocha. Chegando lá, ele foi o arquiteto escolhido para abrir a semana do arquiteto. Disse uma frase que me marcou: 'O planeta Terra tem luz própria. Basta todas as luzes se voltarem para o céu e alguém comprovar da lua: a Terra é uma estrela, o homem fez isso'. Eu me identifiquei com sua maneira de ver o homem e comecei a observar com cuidado suas obras.

Projeto preferido: Renovação da Pinacoteca

Pinacoteca do Estado  - Reprodução - Reprodução
Imagem: Reprodução

"A obra da Pinacoteca, em São Paulo, resume isso: soluções estruturais e racionais, com detalhes que fazem a diferença, trazem o design arrojado, bruto, mas elegante, que o define como um arquiteto que desenha um móvel a uma cidade".

5. Construção do raciocínio
Por Patricia Anastassiadis, do Anastassiadis

Patricia Anastassia - Arquivo Pessoal - Arquivo Pessoal
Imagem: Arquivo Pessoal

"O legado de Paulo seguirá inspirando gerações de arquitetos. Eu tive honra de poder de ouvi-lo em algumas oportunidades e sempre me impressionei com a maneira com que ele construía o seu raciocínio. Muitas vezes, a minha sensação era de que os pontos pareciam não se conectar ao longo da narrativa, mas no final tudo ficava claro e se encaixava perfeitamente. A genialidade dele, na minha opinião, estava na construção do seu pensamento, não só nas belas formas resultantes de suas obras."

Projeto preferido: Pinacoteca

Passeio arquitetonico por Sao Paulo: vista aerea (de drone) do museu Pinacoteca de Sao Paulo, localizado entre av Tiradentes e Parque Jardim da Luz no centro da cidade - Eduardo Knapp/Folhapress - Eduardo Knapp/Folhapress
Imagem: Eduardo Knapp/Folhapress

"O trabalho dele na Pinacoteca do Estado de São Paulo, sua interferência na obra de Ramos de Azevedo, é genial."