PUBLICIDADE
Topo

França exigirá PCR negativo para viajantes vindos de fora da União Europeia

A comprovação de testagem negativa será necessária para entrar no país e visitar os pontos turísticos franceses graças à variante ômicron - NurPhoto via Getty Images
A comprovação de testagem negativa será necessária para entrar no país e visitar os pontos turísticos franceses graças à variante ômicron Imagem: NurPhoto via Getty Images

da EFE, em Paris

02/12/2021 11h37

O governo da França anunciou nesta quarta-feira que, a partir do próximo sábado, viajantes vindos de fora da União Europeia (UE) deverão apresentar um teste PCR com resultado negativo, realizado no máximo 48 horas antes da entrada no país, independente se vacinados contra a covid-19 ou não.

Para as pessoas que cheguem de outras nações do bloco comunitário, mas não tiverem recebido a aplicação de imunizantes, o exame de detecção deverá ter sido feito até 24 horas da chegada, segundo explicou o porta-voz do governo francês, Gabriel Attal, após reunião do Conselho de Ministros.

Além disso, o representante do Executivo indicou que está sendo negociado dentro da União Europeia a confecção de "um protocolo extremamente reforçado" que permita a retomada do tráfego aéreo com o sul da África, que está suspenso devido a detecção da variante ômicron.

Para aguardar a colocação em prática de novas medidas, a França prolongou até o próximo sábado a suspensão da ligação por voos com África do Sul, Botsuana, Lesoto, Moçambique, Namíbia, Essuatíni e Zimbábue.

Attal indicou a criação de uma nova categoria de países em maior risco, de cor vermelha escura, em que, além dos sete já alvo de medidas restritivas, também estarão Ilhas Maurício, Malaui e Zâmbia.

Os viajantes que chegarem dos integrantes da lista terão que cumprir sete dias de isolamento se derem negativo em teste de detecção, e dez, se o resultado for positivo.

O primeiro caso da variante ômicron na França foi detectado no departamento ultramarino de Ilha de Reunião, segundo indicaram ontem as autoridades de saúde do país europeu. Além disso, há três suspeitas de infecção, sendo que uma dessas pessoas esteve em país de risco pela nova cepa.