PUBLICIDADE
Topo

Vôlei

Bicampeãs olímpicas pedem Garay na seleção, e ponteira deixa porta aberta

Campeã olímpica em 2012 e uma das melhores na atual Superliga, Fernanda Garay é pedida na seleção - Reprodução/Instagram
Campeã olímpica em 2012 e uma das melhores na atual Superliga, Fernanda Garay é pedida na seleção Imagem: Reprodução/Instagram

Leandro Carneiro

Do UOL, em São Paulo

21/07/2018 04h00

Campeã olímpica em 2012 e uma das melhores jogadoras da temporada na Superliga, a ponteira Fernanda Garay surpreendeu muitos ao pedir para ficar fora da temporada de seleção. E antes mesmo do Mundial de vôlei começar, o seu nome deixar saudades na equipe de José Roberto Guimarães, ao menos é o que demonstra as ex-companheiras nas redes socias. Bicampeãs olímpicas e já aposentadas da seleção, Fabiana e Sheilla foram algumas das atletas que levantaram a campanha #voltagaray.

A campanha que ganhou força depois que os fãs seguiram as atletas deixa a ponteira de 32 anos emocionada. Garay acredita que essa é uma prova de que o trabalho foi bem feito quando esteve na seleção.

“Fico lisonjeada com o carinho e a confiança depositada em mim. Acredito que deixei uma boa impressão na seleção e esse reconhecimento é fruto de muita dedicação. Em todos esses anos defendendo a Seleção eu me dediquei 100% e abdiquei da vida pessoal. Casei recentemente, ficamos protelando esse momento por 10 anos, justamente por estar com a mente focada no vôlei e senti que agora era hora de ouvir o coração e curtir esse momento tão único minha vida”, disse Garay em entrevista ao UOL Esporte.

Além de estar presente nas duas últimas Olimpíadas, Garay também fez parte do grupo da seleção brasileira nos Mundiais de 2010 e 2014. Ela foi vice-campeã do torneio há oito anos.

Foi justamente essa maratona de jogos pela seleção que fez com que a jogadora resolvesse dar um tempo neste ano. Segundo ela, o momento era de diminuir o ritmo e dar mais atenção aos familiares.

“Eu precisava desse tempo para me dedicar a minha família e as pessoas que eu amo.  Desde 2011 que eu vinha numa maratona de clube e seleção que me privou de momentos muito importantes, mas por outro lado vivi conquistas que fizeram o sacrifício valer a pena. Porém, nesses últimos quatro anos, além dessa maratona o fato de eu estar jogando no exterior intensificou essa lacuna na minha vida e o desejo de viver também os momentos familiares enquanto ainda posso. Daqui a pouco os anos passam e o tempo não volta”, afirmou.

Mas, não será agora que Fernanda Garay voltará ao time. Ela mesma não considera que seria justo passar na frente das atletas que estão trabalhando com José Roberto Guimarães neste ano e encararam a Liga das Nações e a Copa Pan-Americana.

“Hoje, não me sinto apta para defender a seleção. Essa camisa tem muita história e merece dedicação total. A equipe vem se preparando desde o término da Superliga e deve chegar no ápice da forma física no Mundial. Claro que a campanha e as mensagens que venho recebendo mexem muito comigo, porém é como eu sempre disse, tirei esse tempo para me dedicar a minha família e isso também cobra seu preço. Não vejo como eu teria condições de chegar ao mundial no mesmo nível físico e técnico das demais atletas. Quanto a retornar para a seleção, nem eu, nem o Zé Roberto fechamos as portas, porém eu acredito que estar no grupo é uma questão de merecimento e se no futuro o Zé entender que eu ainda posso ajudar de alguma forma e eu me sentir bem para voltar não vejo porque não”, finalizou.

Garay retornou ao vôlei brasileiro nesta temporada. A atleta havia deixado o país em 2013 e desde então passou por Turquia, Rússia e China.

Vôlei