PUBLICIDADE
Topo

Esporte

Crescimento torna a Fórmula E mais próxima da F1 do que ela gostaria

Boxes na Fórmula E em Marrakesh - Julianne Cerasoli
Boxes na Fórmula E em Marrakesh Imagem: Julianne Cerasoli

Julianne Cerasoli

Do UOL, em Marrakesh (Marrocos)

15/01/2019 04h00

Os sinais de que a Fórmula E é uma categoria jovem que está buscando promover seu evento de maneira diferente de outros campeonatos do automobilismo estão por todos os lados. No Reino Unido, por exemplo, a transmissão é feita por YouTubers, e, na pista, o acesso aos pilotos é facilitado, e jornalistas inclusive podem caminhar dentro dos boxes, algo totalmente impensável na sisuda e cheia de regras Fórmula 1.

Tanto, que a declaração recente do chefe da Mercedes, Toto Wolff, que disse não saber se a categoria era "uma competição ou um evento" não causou mal-estar algum. Afinal, ouvidos pelo UOL Esporte no Marrocos, palco da segunda etapa da temporada, o CEO da F-E, Alejandro Agag, e a chefe da equipe Venturi e esposa de Toto, Susie Wolff, afirmaram com tranquilidade que a categoria tem, sim, o entretenimento como um grande foco.

"Diria que somos show e competição. E estou muito contente com essa definição. Temos muito orgulho do nosso evento, porque dizemos que a Fórmula E é mais do que um evento. Quero criar um movimento consistente para carros elétricos e isso é um evento", defende o espanhol.

Vergne - Sam Bloxham/LAT Images/Fórmula E - Sam Bloxham/LAT Images/Fórmula E
Imagem: Sam Bloxham/LAT Images/Fórmula E
"Se queremos crescer no mundo moderno, temos de ser um show, temos de ser entretenimento. Sempre vão haver aqueles fãs de automobilismo que querem ver corrida, mas para atingir um público maior, temos de ser um show", completa Susie Wolff.

Nesse sentido, não é coincidência que a Fórmula E só tenha etapas em destinos turísticos, faça as provas aos sábados - com classificação e corrida no mesmo dia, diferentemente das atividades da F1, que duram três dias - e aproveite a falta do ruído dos motores para se apresentar como um evento para toda a família. A ideia central de tudo isso é promover mais do que uma corrida em si, mas uma experiência.

Todo esse clima de grande acessibilidade, contudo, está diminuindo a cada dia, segundo quem trabalha na categoria. E tudo tem a ver com seu próprio crescimento. A partir do momento que mais e mais montadoras começaram a se interessar pelo esporte e usá-lo como plataforma de desenvolvimento para seus carros, o controle de informações e circulação começou a caminhar para o que a Fórmula 1 acabou se tornando.

E esse é um fenômeno difícil de conter, como Lucas Di Grassi, que está na F-E desde seu nascimento, afirmou ao UOL Esporte.

Elizabeth Hurley - Sam Bloxham/LAT Images/Fórmula E - Sam Bloxham/LAT Images/Fórmula E
Imagem: Sam Bloxham/LAT Images/Fórmula E
"Quando o custo unitário de uso por quilômetro caiu e começou a ficar perto do carro com motor a combustão, os governos começaram a pressionar porque o carro elétrico é muito melhor, não apenas pela questão da emissão de CO2 e do aquecimento global, mas principalmente pelo nível de emissão dentro das cidades. E as montadoras começaram a ver também que esse era o caminho e chegamos a esse momento em que temos mais montadoras na F-E do que a soma da F1, Nascar e Indy. É interessante o quão rápido foi essa mudança. Ninguém esperava que fosse tão rápido."

Apesar dos tempos de maior acessibilidade de uma categoria nova parecerem estar contados, pelo menos uma característica a Fórmula E nunca vai perder - para o bem ou para o mal, dependendo do ponto de vista. "Fui no GP de Mônaco da F1 e nunca mais voltei porque foi horrível, era muito barulho", revelou a atriz Elizabeth Hurley, convidada na etapa do Marrocos. "Não sabia o que esperar porque não me interesso nem um pouco em carros, mas só de não ter o barulho já é bem melhor." 

O e-Prix de Marrakesh foi vencido por Jerome D'Ambrosio, que lidera a temporada depois de duas etapas. A corrida não foi boa para os brasileiros: Lucas Di Grassi foi o sétimo, Nelsinho Piquet, o 14º, e Felipe Massa, o último.

Esporte