PUBLICIDADE
Topo

Esporte

Saída de Marchionne abala cenário da Fórmula 1

21/07/2018 17h25

F1-MARCHIONNE-G1:Saída de Marchionne abala cenário da Fórmula 1

HOCKENHEIM, Alemanha (Reuters) - A substituição de Sergio Marchionne na Ferrari tira da Fórmula 1 um importante membro combativo, que havia ameaçado retirar a equipe mais antiga e glamourosa do esporte a menos que conseguisse o que queria.

A Ferrari anunciou neste sábado que Marchionne, de 66 anos, está seriamente doente e seria substituído como presidente do conselho por John Elkann, membro da família italiana Agnelli.

O membro do conselho Louis Camilleri deve assumir como presidente-executivo da montadora de carros esportivos.

“Isso provavelmente vai facilitar um pouco a vida do (presidente do conselho da F1) Chase (Carey) nas negociações”, disse o chefe de equipe da McLaren, Zak Brown, a repórteres no Grande Prêmio da Alemanha quando questionado sobre as implicações.   

"Sergio fez um trabalho incrível em todo o negócio da Fiat, ele é muito sincero, lutando fortemente pela Ferrari.”

"Espero que a pessoa que o substitua veja o valor que a Fórmula 1 entrega à Ferrari … O resultado poderia ser um comprometimento mais rápido da Ferrari à Fórmula 1”, ele acrescentou.

O chefe de equipe da Mercedes, Toto Wolff, cuja equipe vencedora do título enfrenta a Ferrari nas pistas, mas é vista como aliada quando o assunto são as negociações sobre o futuro do esporte, foi mais reservado.

“Ele é um personagem e uma personalidade importante da Fórmula 1. Eu sempre gostei de competir com ele”’, disse o austríaco.

Não houve uma reação imediata da Liberty Media, detentora dos direitos comerciais da Fórmula 1, que depôs o ex-todo-poderoso Bernie Ecclestone ano passado e está tentando reestruturar o esporte.

Eles querem implementar um limite de gastos, melhorar as corridas e ter uma distribuição mais justa das receitas, para que todas as 10 equipes possam ser competitivas.

O atual acordo entre as equipes, órgãos governamentais e detentores de direitos comerciais expira no fim de 2020 e as negociações têm acontecido há algum tempo.

A Ferrari, que também é a equipe mais bem-sucedida, recebe somas de dinheiro significativas em pagamentos especiais que refletem seu status e está relutante em ver isso acabar.

"Nós precisamos encontrar uma solução equilibrada para o futuro que satisfaça a todos e eu acho que nós o faremos com o tempo”, disse Marchionne em dezembro. "De outra forma, a Ferrari vai sair. Se eles (os céticos) acham que estamos blefando, eles estão brincando com o fogo.”

Camilleri é ex-presidente do conselho da Philip Morris International, companhia de tabaco que têm patrocinado a equipe da Ferrari na F1 há mais de quarenta anos.

(Por Alan Baldwin)

((Tradução Redação Brasília, 5561 3426-7021)) REUTERS MA

Esporte