PUBLICIDADE
Topo

Esporte

MP da Colômbia acusará empresários por desvio de ingressos de jogo do Brasil

23/01/2019 16h42

Bogotá, 23 jan (EFE).- O Ministério Público da Colômbia informou nesta quarta-feira que acusará os empresários César Ronaldo Carreño Castañeda e Iván Darío Arce Gutiérrez, diretores da Ticket Shop por crimes envolvendo a venda de ingressos de jogo entre a seleção local e o Brasil, em 2017, pelas Eliminatórias para a Copa do Mundo.

Carreño, representante legal da empresa, e Arce, gerente financeiro, serão responsabilizados pela Promotoria por modificar preços das entradas para a partida, propaganda enganosa e formação de quadrilha.

A Ticket Shop anunciou que venderia 6 mil ingressos em 6 de agosto de 2017, para o duelo entre colombianos e brasileiros que aconteceria no mês seguinte. A empresa divulgou que o montante foi esgotado em apenas 42 minutos, o que provocou muitas reclamações nas redes sociais.

O Ministério Público, no entanto, apontou que 3.353 das entradas foram revendidas meses antes, entre 15 e 24 de maio de 2017, em valores acima aos praticados no mercado.

As investigações apontaram que por estes ingressos, a empresa arrecadou 1,15 bilhão de pesos (R$ 1,39 milhão), quando o preço estimado suporia receita de 578,9 milhões de pesos (R$ 699,3 mil).

O MP ainda convocou para interrogatório os empresários Elías José Yamhure Daccaret e Rodrigo de Jesús Rendón Cano, da Ticketya, que assinou um contrato com a Ticket Shop, referente a venda de ingressos para jogos da Colômbia nas Eliminatórias.

A Superintendência de Indústria e Comércio (SIC) da Colômbia, no ano passado, acusou a federação do país e as duas empresas pelo "desvio em massa" das entradas. A Fifa, inclusive, entrou no caso, e também iniciou investigação sobre o caso. EFE

Esporte