PUBLICIDADE
Topo

Esporte

Investidores italianos adquirem 60% do Parma e encerram 'era chinesa'

A. Cantini/Parma Calcio 1913
Imagem: A. Cantini/Parma Calcio 1913

Da EFE, em Roma

23/10/2018 11h19

O grupo de investidores italianos Nuovo Inizio adquiriu nesta terça-feira (23) 60% das ações do Parma, o que representa o fim da era chinesa do clube italiano, que desde o ano passado pertencia ao grupo Desports.

"Nuovo Inizio, a empresa formada pelos investidores Guido Barilla, Giam Paolo Dallara, Mauro Del Rio, Marco Ferrari, Angelo Gandolfi, Giacomo Malmesi e Paolo Pizzarotti, comunica que completou hoje o processo de aquisição da maior parte das ações do Parma Calcio 1913, do qual agora detém 60%", informa o comunicado do clube.

Esse grupo, que tinha cedido 60% do Parma ao consórcio chinês há 11 meses e ficado com 30%, exerceu uma cláusula prevista no contrato assinado com o Desports por considerar que o presidente Jiang Lizhang não estava cumprindo os compromissos necessários da gestão, informou Marco Ferrari em entrevista coletiva.

"Há cerca de um ano, estávamos confiantes que tínhamos encontrado o perfil correto ao entregar o controle do Parma ao presidente do Desports, Jiang Lizhang, que tinha se apresentado da melhor maneira, ao inicialmente mostrar seu compromisso concreto com o clube", disse.

"Mas notamos uma crescente dificuldade na gestão dos vários compromissos que um negócio como o futebol italiano impõe aos clubes e, de quebra, aos seus sócios", prosseguiu.

Nuovo Inizio prometeu realizar "a curto prazo um reforço patrimonial através de um aumento de capital" e informou que decidirá em breve o nome do novo presidente do clube.

Dessa forma, o Parma, um dos clubes mais tradicionais do futebol italiano, terá 60% das ações controladas pelo Nuovo Inizio, enquanto 30% seguirão com o Desports, um grupo que conta com participações em vários clubes de futebol e basquete. Os 10% restantes pertencem a "Parma Partecipazioni Calcistiche", um consórcio de torcedores.

Esporte