PUBLICIDADE
Topo

Esporte

Presidente do Barcelona diz que volta de Neymar não está prevista

22/10/2018 11h11

Barcelona, 22 out (EFE).- O presidente do Barcelona, Josep Maria Bartomeu, negou nesta segunda-feira que o clube esteja planejando o retorno do atacante Neymar, que, segundo especulações surgidas na imprensa internacional na semana passada, está insatisfeito e de deseja sair do Paris Saint-Germain.

"Não previsão de contratarmos ninguém no mercado de inverno (janeiro). Neste ano, fizemos um elenco mais curto porque há jogadores no Barça B que podem ajudar a equipe principal", declarou o dirigente à emissora "Catalunya Radio", para depois falar especificamente sobre o camisa 10 da seleção brasileira.

"Não tivemos nenhuma ligação nem nenhuma reunião (com representantes de Neymar). Ele decidiu o seu futuro indo para outra equipe, pagou a cláusula de rescisão e foi para Paris. Não gostamos que os jogadores saiam pagando a cláusula", destacou.

Bartomeu ressaltou que não tem problemas pessoais com o brasileiro e que uma decisão final sobre qualquer jogador é tomada com a comissão técnica, o secretário técnico, Eric Abidal, e o diretor esportivo, Josep Segura. "Não é uma decisão do presidente", esclareceu.

O presidente do Barça comentou também a lesão de Lionel Messi, que fraturou o braço direito na vitória sobre o Sevilla por 4 a 2 no último sábado, pelo Campeonato Espanhol. Para o dirigente, o time catalão se sairá bem sem seu craque.

"Todos estamos preocupados com a lesão, já que se tratado melhor jogador do mundo e que perderá partidas importantes. Mas a equipe sempre seguiu em frente e se tornou mais forte. Quero enviar uma mensagem positiva, que as pessoas não se deprimam. O clube se saiu sempre das situações complexas, e há jogadores capazes de liderar o time. O talento de Messi é inigualável, mas há outros jogadores capazes", comentou.

Sobre a proposta de mudança do escudo do clube, que acabou sendo engavetada, Bartomeu deixou claro que foi uma escolha dos sócios e que por enquanto não haverá uma nova votação.

"Temos que fazer uma reflexão interna. Certamente as siglas (FCB) (que desapareciam no novo projeto) estarão dentro do escudo. E outra coisa a ser vista é que órgão tem poder para escolher. O desenhos que apresentamos está fora de cogitação porque não caiu no gosto, e não há pressa", finalizou.

Esporte