PUBLICIDADE
Topo

Esporte

Após ataques, zagueiro que apoia comunidade LGBT fecha conta no Facebook

Guram Kashia, zagueiro que joga na MLS, enfrentou o Manchester United em amistoso em julho - AP Photo/D. Ross Cameron
Guram Kashia, zagueiro que joga na MLS, enfrentou o Manchester United em amistoso em julho Imagem: AP Photo/D. Ross Cameron

29/08/2018 18h01

Tbilisi, 29 ago (EFE).- O zagueiro georgiano Guram Kashia, que receberá o prêmio Equal Game da Uefa pelo apoio prestado à comunidade LBGT, foi obrigado a fechar a conta que mantinha no Facebook após ser vítima de uma série de ameaças e ataques feitos por torcedores de seu país.

"Estou fechando a minha página no Facebook. Gosto do meu país e não me arrependo de nada. Enquanto houver pelo menos um torcedor que goste de mim, seguirei jogando pela seleção", disse o jogador.

Atleta do San Jose Earthquakes, da liga norte-americana de futebol (MLS), Kashia foi convocado para os próximos jogos da Geórgia pela Liga das Nações, contra Cazaquistão e Letônia.

O ministro do Interior da Geórgia diz ter aberto uma investigação sobre os ataques que o jogador recebeu. Um dos autores dos ataques, membro de um conhecido grupo ultranacionalista do país, já foi convocado a depor.

Kashia receberá o prêmio da Uefa, dado a jogadores que lutam pela igualdade, por ter entrado em campo em uma partida do Vitesse, seu ex-clube, com uma braçadeira de capitão com as cores LGBT.

Na época, o jogador declarou que tal ação foi um gesto de apoio à liberdade de expressão, mas acabou sendo vítima de uma campanha de ataques na Geórgia. Os companheiros de seleção e a federação do país saíram em apoio a Kashia.

O presidente da Geórgia, Gueorgui  Marguelashvili, condenou a campanha homofóbica dos ultradireitistas que pediam que Kashia fosse expulso da seleção.

Esporte