PUBLICIDADE
Topo

Esporte

Presidente da AFA diz que Messi precisa de tranquilidade para decidir futuro

24/07/2018 13h23

Buenos Aires, 24 jul (EFE).- O presidente da Associação do Futebol Argentino (AFA), Claudio Tapia, afirmou nesta terça-feira que é preciso deixar Lionel Messi tranquilo para que ele se recomponha e só depois decida seu futuro na seleção, pois acredita que o desempenho ruim da equipe na Copa do Mundo da Rússia teria abalado muito o atacante do Barcelona.

"Temos muita confiança nele. Precisamos tentar deixá-lo tranquilo, para que se recomponha, que comece seu campeonato na Espanha e no ano que vem veremos", afirmou Tapia em entrevista à rádio argentina "Mitre".

Segundo o presidente da AFA, a última vez em que os dois se falaram foi na sexta-feira passada, quando trocaram mensagens pelo Dia do Amigo, muito comemorado na Argentina.

"Temos uma relação boa. Acredito que Messi vai querer permanecer na seleção. Este golpe (a eliminação nas oitavas de final) deve ter sido muito duro para ele, mas a Argentina precisa dele. Devemos deixá-lo tranquilo e começar o projeto. Depois vemos como as coisas vão acontecendo", destacou.

Questionado sobre o desempenho do atacante na Rússia, Tapia saiu em defesa de Messi e apontou as fortes expectativas em cima do jogador argentino como algo que acabou atrapalhando sua performance.

"Eu vi Messi como talvez poderíamos ver muitos outros, com um grau de responsabilidade que também era criado por nós. Achamos que Messi é um super-herói, mas ele é um ser humano, o melhor jogador do mundo. Jogamos tantas responsabilidades sobre ele que, em alguns momentos, acabou jogando mal", argumentou.

O presidente da AFA afirmou que a entidade ainda não entrou em contato com nenhum candidato para substituir o técnico Jorge Sampaoli no comando da seleção e reiterou que o novo treinador será escolhido daqui a uma semana, durante a reunião do Comitê Executivo. No entanto, o dirigente já adiantou que o novo comandante terá que realizar uma renovação na equipe em um projeto a longo prazo.

"Depois da atuação que tivemos na Copa e a saída de Jorge Sampaoli, é preciso replanejar toda a seleção. Eu acredito que não houve renovação para esta Copa, o último técnico que fez isso foi Gerardo Martino, e acho que foi o técnico que ganhou mais partidas sem Messi em campo", disse.

O presidente da AFA comentou a saída de Sampaoli e disse que, depois da eliminação, não era possível continuar com o projeto.

"Quando elegemos Sampaoli, ele era o técnico que todos realmente queriam. Mas hoje, sem dúvida, vemos coisas que não vimos antes. Os resultados e o que aconteceu fizeram com que sentássemos para conversar. Mas isto é futebol e não pudemos continuar com o projeto, e acabamos decidindo por sua saída. Nunca pudemos ver o Sampaoli do Chile ou Sevilla, esta é a verdade. A seleção argentina nunca jogou como a seleção do Chile ou como o Sevilla", ressaltou.

Tapia vem recebendo muitas críticas por sua gestão e os resultados ruins da seleção argentina, mas disse que acredita que haja movimentações para que ele deixe o cargo.

"Sempre me subestimam, mas a capacidade é a marca da gestão. Sei que trabalhei para termos a melhor Copa do Mundo. Se alguém pensa que na próxima Copa América seremos campeões, está errado. Temos que trabalhar pelo que não se trabalhou antes, na renovação da equipe", argumentou.

Sobre os supostos substitutos de Sampaoli, o presidente da AFA comentou sobre Marcelo Gallardo, que atualmente está no River Plate, e disse que ele tem o perfil que a entidade busca por ser competente e jovem; e também avaliou José Pekerman, atualmente na seleção colombiana, afirmando que pode acrescentar muito ao futebol argentino, mas não apontou nenhum favorito.

Tapia também falou sobre as fortes críticas feitas por Diego Maradona no último fim de semana, quando o campeão mundial argentino afirmou que a AFA é um "desastre" e chamou os diretores de corruptos.

"Diego é Diego. É um patriota. O que ele fez pelo futebol argentino é inegável. Levou nosso futebol ao topo. Nunca vou dizer nada sobre ele. Por enquanto, não. Mas, pode ser que ele queira algo", finalizou.

Esporte