PUBLICIDADE
Topo

Esporte

Centro da polêmica com Özil, Erdogan ataca "atitudes racistas" de alemães

Mezut Özil encontra o presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, em Londres - AFP PHOTO / TURKISH PRESIDENTIAL PRESS OFFICE / KAYHAN OZER
Mezut Özil encontra o presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, em Londres Imagem: AFP PHOTO / TURKISH PRESIDENTIAL PRESS OFFICE / KAYHAN OZER

Da EFE, em Istambul (Turquia)

24/07/2018 12h44

O presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, expressou nesta terça-feira (24) o seu apoio à decisão do meia alemão Mesut Özil de abandonar a seleção alemã após a polêmica causada por fotos tiradas do jogador ao lado do líder político.

"Falei ontem com ele. Não conseguem aceitar o fato de que tirou uma foto comigo. Apoio as afirmações de Mesut Özil", disse o presidente em declarações reproduzidas pelo canal 'CNNTürk'. "Não é possível aceitar este tipo de atitude racista para um jovem que derramou tanto suor pelo sucesso da seleção alemã".

No último domingo (22), Özil publicou uma carta nas redes sociais na qual anunciava a aposentadoria do time nacional e justificava os motivos de ter aparecido ao lado de Erdogan, apontado como ditador pela oposição, dias antes da eleição presidencial na Turquia.

"A foto que tiramos não tinha intenções políticas. A verdade é que não encontrar o presidente teria sido desrespeitar as raízes de meus antepassados. Para mim, não interessava quem era o presidente, interessava que era o presidente", disse o jogador do Arsenal em um dos trechos da mensagem.

O meia de 29 anos, que foi peça-chave no título mundial de 2014, afirmou que estava recebendo tratamento racista pela situação e acusou a Federação Alemã de Futebol (DFB) de não ter ficado ao seu lado na polêmica.

Esporte