PUBLICIDADE
Topo

Esporte

Dirigente diz acreditar em continuidade de Messi na seleção argentina

24/07/2018 18h28

Buenos Aires, 24 jul (EFE).- O presidente da Associação do Futebol Argentino (AFA), Claudio Tapia, revelou nesta terça-feira que conversou com Lionel Messi há poucos dias e, com base nisso, acredita que o atacante continuará a defender a seleção apesar do "duro golpe" da eliminação nas oitavas de final da Copa do Mundo.

"Eu acredito que Messi vai continuar jogando (na seleção). É preciso deixá-lo tranquilo, começar um projeto e depois ir vendo como as coisas acontecem. Ele quer muito a seleção argentina. Acho que internamente este golpe deve ter sido muito duro para ele, como foi para nós. A Argentina precisa dele", disse Tapia à "Rádio La Red".

A continuidade de Messi na seleção argentina se tornou uma incógnita porque o atacante, hoje com 31 anos, não falou com a imprensa após a eliminação da Argentina.

"Conversamos pelo dia do amigo (20 de julho). Ele está de férias, curtindo um pouco a família. Mas só conversamos para isso, não falamos da Copa do Mundo nem nada. Acho que temos uma boa relação", comentou.

O dirigente considerou que é preciso dar um descanso ao atacante para que se "reordene" e avalie se voltará a defender a seleção argentina.

"Na Copa do Mundo o vi com um grau de responsabilidade que nós também jogamos um pouco sobre ele. Pensávamos que era um super-herói, mas é um ser humano. O melhor jogador do mundo, mas um ser humano. Nós o enchemos de responsabilidades que depois acabam prejudicando. Mas, sem dúvidas, temos muita confiança nele", disse.

Em entrevista à "Rádio Rivadavia", Tapia se referiu aos possíveis candidatos ao cargo de técnico da Argentina após a demissão de Jorge Sampaoli.

"Eu gostaria de Marcelo Gallardo como técnico da seleção, é o perfil que buscamos, mas sei que ele quer terminar o projeto no River Plate e está tudo bem que pense dessa maneira. Acho difícil que Gallardo seja o técnico da seleção pelo que falou", comentou.

O dirigente também esclareceu que não conversou com Diego Simeone, Alejandro Sabella nem José Pekerman, outros dos possíveis candidatos.

"Quem comandar o próximo projeto deverá fazer uma grande substituição. Sabella não me apresentou nenhum projeto. Não falei com Simeone. Pekerman fez o melhor trabalho de base da seleção nacional. Pode contribuir muito ao futebol argentino, mas também não falei com ele, nem com ninguém", concluiu.

Esporte