PUBLICIDADE
Topo

Esporte

Vasco busca empate com homem a menos, mas fica mais longe da classificação

26/04/2018 23h33

Rio de Janeiro, 26 abr (EFE).- Derrotado pelo Universidad do Chile por 1 a 0 na primeira rodada, o Vasco voltou a tropeçar em São Januário pelo grupo 5 da Taça Libertadores ao empatar com o Racing em 1 a 1 nesta quinta-feira, em jogo no qual a equipe carioca atuou com um a menos durante quase todo o segundo tempo.

O time dirigido por Zé Ricardo teve atuação melhor que a de uma semana atrás, quando foi goleado pela 'Academia' por 4 a 0 na Argentina, mas mesmo assim saiu atrás no placar. Lautaro Martínez balançou a rede na etapa final.

Logo depois do intervalo, Desábato foi expulso, deixando os donos da casa com dez. Mesmo assim, o prejuízo ainda foi diminuído por Wagner, que deixou tudo igual a cerca de 15 minutos do apito final.

O torcedor, no entanto, ainda não tem muitos motivos para comemorar. Com duas derrotas e dois empates, a equipe do técnico Zé Ricardo segura a lanterna do grupo 5, com dois pontos, enquanto o adversário tem oito e se mantém firme na liderança. O segundo colocado é o Cruzeiro, que mais cedo atropelou o Universidad com um triunfo por 7 a 0 no Mineirão e foi a cinco pontos, superando o representante chileno no saldo.

Dessa forma, para se classificar, o campeão da América em 1998 precisará vencer suas duas próximas partidas, contra a Raposa, na próxima quarta-feira, no Rio, e 'La U', em Santiago, em 22 de maio, e torcer para que o Racing ao menos empate em seus dois compromissos restantes.

O técnico Zé Ricardo fez três alterações no Vasco em relação à goleada sofrida na Argentina há uma semana. Werley entrou na zaga em lugar de Erazo, e o esquema com três volantes foi abolido, o que levou Thiago Galhardo a substituir Bruno Silva. Por fim, Rildo ganhou a vaga de Evander.

No Racing, Eduardo Coudet contou com os retornos de González, que cumpriu suspensão em Avellaneda, e Neri Cardozo, recuperado de um problema muscular. Dessa forma, Zaracho e Solari foram sacados.

Visto como solução após as más atuações de Erazo, Werley já foi se complicando logo aos quatro minutos de bola rolando. O defensor deu um presente ligando o contra-ataque, Martínez cruzou e, para sorte dos donos da casa, Lisandro López, ex-jogador do Internacional, não alcançou.

A partida era truncada, e as equipes pouco conseguiam criar. Uma alternativa eram as cobranças de falta, e os visitantes tentaram aos 18. Donatti, zagueiro com passagem pelo Flamengo, bateu e encobriu a meta. Também em infração, aos 25, Pikachu levantou e Ríos cabeceou depois de desvio na primeira trave, mas o goleiro Musso pegou firme.

Novamente na bola parada, aos 31 minutos, o Vasco criou nova oportunidade... Para o adversário, que não desperdiçou. Depois de escanteio para os donos da casa, Centurión recolheu no campo de defesa e progrediu até perto da área de ataque. O ex-meia-atacante do São Paulo então deu para Martínez, que tentou duas vezes e fez 1 a 0.

O segundo poderia ter acontecido aos 44, em mais uma falta a favor do Racing. Na cobrança ensaiada, Cardozo passou para López, que finalizou por baixo e tirou tinta da trave.

Logo na volta para o segundo tempo, com um minuto, o Vasco incomodou na jogada aéra. Henrique levantou, o goleiro saiu mal e Werley cabeceou em tiro de meta. Mais tarde, aos oito, Pikachu cobrou infração, Soto foi cortar e não marcou contra por centímetros.

A esperança do torcedor, que foi crescendo com o bom começo de segunda etapa, diminuiu drasticamente aos dez. Desábato, que já tinha cartão amarelo, cometeu falta dura em Martínez e foi expulso. Em seguida, aos 14, Donatti ficou com a sobra na entrada da área, emendou de primeira e mandou perigosamente para fora.

Mesmo com um homem a menos, o Vasco não se entregou e Zé Ricardo colocou o time para frente ao sacar o volante Wellington e lançar mão do atacante Riascos. Aos 25 minutos, Rildo foi ao chão depois de disputa pelo alto com Soto, e jogadores e torcedores vascaínos pediram pênalti, mas a arbitragem disse que a disputa foi legal. Cinco minutos depois, em sua primeira tentativa, o colombiano recolheu fora da área e chutou pela linha de fundo.

Arriscando tudo na busca por pelo menos um ponto, a equipe cruzmaltina se expunha ao contra-ataque, como aconteceu aos 32. A bola foi de pé em pé no setor ofensivo do Racing até Martínez ficar cara a cara com Martín Silva, mas o goleiro operou um milagre e manteve a desvantagem mínima.

O prêmio pelo esforço veio aos 35 minutos. Ríos bateu cruzado do bico da área, e Musso deu rebote. Atento, Wagner estufou a rede e deixou tudo igual.

Na parte final do confronto, o tetracampeão brasileiro deu pouca impressão de estar jogando no 11 contra dez e se fez mais presente no ataque. A virada quase aconteceu aos 42, Bruno Silva colocou Pikachu na cara do gol. O goleiro arrematou rasteiro e Musso fez linda e importante defesa.



Ficha técnica:.

Vasco: Martín Silva; Yago Pikachu, Paulão, Werley e Henrique; Desábato, Wellington (Riascos), Thiago Galhardo (Fabrício) e Wagner; Rildo (Bruno Silva) e Andrés Ríos. Técnico: Zé Ricardo.

Racing: Musso; Saravia, Sigali (Barbieri), Donatti e Soto; Domínguez, González, Cardozo (Zaracho) e Centurión; Martínez e López (Mansilla). Técnico: Eduardo Coudet.

Árbitro: Diego Haro (Peru), auxiliado pelos compatriotas Raúl López Cruz e Jesús Sánchez.

Cartões amarelos: Desábato, Henrique e Werley (Vasco); Cardozo, Barbieri, Soto e Zaracho (Racing).

Cartão vermelho: Desábato (Vasco).

Gols: Wagner (Vasco); Martínez (Racing).

Estádio de São Januario, no Rio de Janeiro.

Esporte