PUBLICIDADE
Topo

Esporte

Justiça condena ex-ministra da França que acusou Nadal de doping

16/11/2017 13h46

Paris, 16 nov (EFE).- A justiça da França condenou nesta quinta-feira, por difamação, a ex-ministra de Esportes do país Roselyne Bachelot, por acusar em março de 2016, quando já não estava no governo, o tenista espanhol Rafael Nadal de se dopar, em um programa de televisão.

O Tribunal Correcional de Paris considerou Roselyne culpada pelo crime de difamação e ordenou o pagamento de 10 mil euros (R$ 38,6 mil) a Nadal por danos e prejuízos, além de outros 2 mil euros (R$ 7,7 mil) pelas despesas judiciais.

O tenista, através dos seus advogados, havia pedido na audiência, realizada no último dia 13 de outubro, uma indenização de 100 mil euros (R$ 386,3 mil), além de juros, pelos danos à sua imagem.

Após a leitura da sentença, o advogado de Roselyne, Olivier Chappuis, anunciou que sua cliente não irá recorrer e lamentou que o atleta espanhol tenha dado tanta importância à fala da ex-ministra.

Para justificar a ação judicial, o advogado de Nadal, Patrick Maisonneuve, insistiu que a acusação de doping tinha um "enorme peso" pelas "consequências significativas" sobre os patrocinadores atuais e futuros do tenista.

Além disso, Maisonneuve apresentou os exames médicos que constatavam a grave lesão no tendão do joelho esquerdo do atleta, que o tirou das quadras durante meses, e afirmou que isso não tinha nada a ver com um possível doping.

Por sua vez, o advogado na ex-ministra indicou na audiência que, para fazer suas polêmicas declarações, sua cliente se tinha baseado em comentários na imprensa de outros jogadores, como o belga Christophe Rochus e o austríaco Daniel Kollerer.

Bachelot foi ministra de Esportes entre 2007 e 2010 e, desde então, participou de diversos programas de rádio e televisão.

Em um deles, em março de 2016, ela disse que o tenista espanhol se dopava, se baseando unicamente nos meses em que o jogador esteve parado em 2012 devido a uma lesão no tendão patelar.

"É sabido que a famosa lesão de Rafael Nadal, quando esteve parado sete meses, se deve na realidade a um teste (antidoping) positivo", comentou a ex-ministra no canal de televisão "D8".

No mês seguinte, Nadal formalizou sua denúncia com o argumento de que não se pode dizer coisas assim "sem informação" e que a única forma para inibir esse tipo de "declaração sem fundamento" é levar o caso à justiça.

Esporte