PUBLICIDADE
Topo

Esporte

Sob risco de cair na Champions, Simeone diz preferir críticas a anonimato

30/10/2017 19h13

Madri, 30 out (EFE).- O técnico do Atlético de Madrid, Diego Simeone, comentou a situação do time na Liga dos Campeões nesta segunda-feira e, sob risco de ser eliminado ainda na primeira fase do torneio, disse preferir as críticas a viver no anonimato.

"O êxito que teve a equipe nesses últimos anos a colocou numa situação na qual qualquer resultado que não seja a excelência gera críticas. Temos que conviver com isso se queremos crescer. Prefiro isso do que viver no anonimato", afirmou o técnico.

"Prefiro as críticas, que as pessoas mostrem seu descontentamento ou a alegria quando a equipe ganhar. Isso vai nos fazer melhores. Temos um clube e uma equipe grandes, é preciso aguentar as situações que nos fazem assim", completou.

"Sempre o técnico é o primeiro responsável pelo que ocorre dentro do time", reconheceu Simeone sobre a situação dos 'colchoneros'.

O Atlético de Madrid, com apenas dois pontos, três a menos que a vice-líder do grupo C, a Roma, e cinco atrás do líder Chelsea, terá a oportunidade de iniciar uma recuperação amanhã contra o Qarabag, um duelo classificado por Simeone como "oportunidade maravilhosa".

"Só vale a vitória. Esse momento me encanta. Me sinto melhor do que em qualquer outro momento. Confio nos meus jogadores e estou tranquilo porque, se jogamos como na última partida, as coisas se encaminharão e serão melhores", destacou o técnico.

"É um momento de expectativa, no qual é possível ver a força de uma equipe, a rebeldia de um grupo que está brigando há anos para estar entre os melhores. Estamos diante de uma oportunidade maravilhosa", disse Simeone.

Perguntado pelos jornalistas se está preocupado com a situação do Atlético, Simeone respondeu sempre estar preocupado para ganhar e para conquistar os objetivos previamente estabelecidos.

"A preocupação existe diariamente para ganhar, para chegar aos objetivos do clube, para pôr o Atlético entre os melhores do mundo... A preocupação é parte do nosso trabalho. Estaria mal se não estivesse preocupado. Não me sinto cômodo, relaxado ou tranquilo", revelou o treinador.

Esporte