Topo

Esporte


Criador do trash talk no UFC, Tito Ortiz aprova estilos de Covington e McGregor

Neri Fung, em Niterói (RJ)

Ag. Fight

18/10/2019 07h00

Tito Ortiz foi campeão peso-meio-pesado (93 kg) do Ultimate - Diego Ribas

Uma das primeiras estrelas consolidadas do UFC, Tito Ortiz se notabilizou em sua carreira pelas palavras e atitudes contundentes, que justificavam o apelido de 'The Huntington Beach Bad Boy'. Sem buscar agradar ao politicamente correto, o lutador construiu um personagem que dividia opiniões: as pessoas ou amavam ou odiavam o lutador. Um dos pioneiros do trash talk no MMA, o ex-campeão meio-pesado (93 kg) do Ultimate - em entrevista exclusiva à reportagem da Ag. Fight - afirmou que aprova o estilo provocador de dois atletas que se destacam atualmente utilizando estratégia semelhante à sua: Colby Covington e Conor McGregor.

Com Covington, Tito compartilha, além do estilo falastrão 'bad boy', o mesmo posicionamento político, já que ambos são simpatizantes e ferrenhos defensores de Donald Trump, atual presidente dos Estados Unidos. Além da amizade com Trump e sua família, 'Chaos' tem chamado a atenção por suas inúmeras polêmicas e rixas, inclusive com dois companheiros de equipe na ATT (American Top Team): Dustin Poirier e Jorge Masvidal, que, irritados com Colby, ameaçaram agredi-lo na academia do time.

Covington também criou grandes inimizades ao encarar dois brasileiros em sequência: Demian Maia e Rafael dos Anjos, respectivamente. O americano aproveitou o palco e fez declarações depreciativas aos rivais e ao Brasil, provocando um desconforto tão grande que, recentemente, Kamaru Usman - seu próximo oponente - prometeu vencê-lo para vingar o povo brasileiro. Nada, porém, que incomode Ortiz, que, apesar de admitir que o 'pupilo' exagera no tom em alguns momentos, declarou que tudo faz parte do que ele representa.

"Colby Covington é ótimo porque ele apoia o povo americano, ele apoia o nosso presidente. Atualmente tem muito ódio contra nosso presidente, por alguém que está tentando proteger nosso país. E, finalmente, alguém está tendo cuidado com nosso país, protegendo nosso povo, e está sendo odiado por causa disso. (...) Colby é uma pessoa que se pronuncia, ele exagera algumas vezes, mas esse é o Colby. Ele é um campeão. E se ele tem a oportunidade de fazer isso, então, por que não fazê-lo?", explicou o ex-campeão meio-pesado do UFC.

Já McGregor chama a atenção de Tito por seu poder de oratória. O irlandês, que também se envolveu em polêmica com o público brasileiro antes da disputa pelo cinturão peso-pena (66 kg) do UFC contra o então campeão José Aldo, consegue, com seu rápido poder de resposta, estar quase sempre em vantagem nas discussões. Ortiz elogiou, ainda, a confiança demonstrada pelo ex-detentor dos cinturões dos penas e peso-leve (70 kg) do Ultimate.

"Conor é um cara que fala rápido. Ele é esperto, articulado, ele faz coisas que as pessoas amam ou odeiam. É muito confiante na forma como ele luta. Todos os lutadores têm que ser confiantes na forma como lutam. Alguns de nós somos capazes de expressar isso verbalmente e outros não, eles expressam fisicamente. Tenho sido um desses caras que consegue fazer das duas formas", concluiu 'The Huntington Beach Bad Boy'.

Com 44 anos, Tito Ortiz faz sua estreia no Combate Americas no dia 7 de dezembro, ao enfrentar Alberto Rodriguez, ex-campeão peso-pesado da WWE (liga de pro wrestling americana). Em suas últimas cinco lutas, o veterano acumula quatro triunfos e apenas uma derrota, para Liam McGeary, em setembro de 2015, quando ainda competia pelo Bellator.

Esporte