PUBLICIDADE
Topo

Esporte

Flávio Canto relembra convite para lutar no Pride: "Fora da minha realidade"

Ag. Fight

17/01/2019 16h04

Flavio Canto é um dos maiores nomes da história do judô brasileiro, dono de uma medalha de bronze nas Olimpíadas de Atenas (GRE), em 2004, e dono do posto de fundador do Instituto Reação, organização não-governamental que promove o desenvolvimento social de jovens carentes e que revelou a atual campeã olímpica da modalidade na categoria até 57 kg, Rafaela Silva. E todo este currículo por pouco não ganhou uma outra experiência: a de lutador de MMA.

Em entrevista ao programa 'Confraria da Porrada', nesta semana, Canto lembrou de quando foi convidado para enfrentar Makoto Takimoto, campeão olímpico de judô na categoria até 81 kg em Sydney (AUS), nas regras do MMA. O duelo, "em 2004, 2005", aconteceria no Pride, evento japonês da modalidade, que rivalizava com o UFC. Flávio contou que até achou o casamento da luta favorável ao seu estilo, mas recusou a proposta por estar concentrado no ciclo olímpico.

"O que me falaram foi que eu ia lutar com o (Makoto) Takimoto, que foi campeão olímpico em 2000, que era um cara muito bom tecnicamente em pé, mas era um cara muito limitado no chão. Eu até pensei: 'Putz, eu acho que...' Porque, quando você pega dois caras ruins em pé, que é o meu caso... Pô, trocação eu fazia mata-cobra com a galera e taparia no fim do ano lá com o Geraldo (Bernardes, seu primeiro treinador e um dos fundadores do Instituto Reação)... Acho que o chão acabaria sendo o balizador. Então, acaba que foi uma luta que, na época, eu: 'Pô...'. Mas aí estava tão fora da minha realidade... Eu queria as Olimpíadas. Não era meu 'drive'", falou.

Além disso, Canto analisou a carreira no MMA de alguns ex-judocas, a exemplo de Pawel Nastula, polonês peso-pesado que chegou ao Pride com muita expectativa, mas acabou tendo uma passagem sem brilho pelas artes marciais mistas, com cinco vitórias e seis derrotas. O ex-judoca brasileiro elogiou muito Kayla Harrison, bicampeã olímpica até 78 kg, que fez em 2018 suas três primeiras lutas de MMA, ganhando todas, no evento PFL. "Vai ser a melhor do mundo", apostou.

Esporte