PUBLICIDADE
Topo

Esporte

Dedé Pederneiras analisa reestruturação na liderança da Nova União

Gaspar Bruno, no Rio de Janeiro (RJ)

Ag. Fight

23/11/2018 12h18

Treinador de diversos atletas de peso no UFC, como o ex-campeão José Aldo, André Pederneiras deixará a liderança da sua academia no Rio de Janeiro, onde funciona o centro de treinamento da equipe Nova União. Há mais de 20 anos à frente do time, 'Dedé' revelou que não se envolverá mais nas decisões sobre competições e nem sempre acompanhará os atletas nas rotinas de viagens, mas ressaltou que continuará a dar aulas e a puxar treinos, como sempre fez.

Em entrevista exclusiva à reportagem da Ag. Fight, o técnico contou que aproveitará a oportunidade para focar na parte social do seu empreendimento. Bem-sucedido financeiramente após longa carreira vitoriosa como técnico, 'Dedé' revelou que pretende ministrar aulas de forma gratuita para pessoas de baixa renda, principalmente crianças. Aos 51 anos, o treinador ressaltou também que seguirá alguns lutadores em eventos apenas esporadicamente, como fez recentemente com a peso-palha (52 kg) Poliana Botelho, no UFC Buenos Aires.

"Na verdade, de dar aula e treino, continua a mesma coisa. Passei a não me envolver mais com as decisões de competição, essas coisas todas, mas as aulas, você está me entrevistando enquanto eu estou no treino. Vou puxar o treino. Eu só não quero mais ter aquela responsabilidade de estar acompanhando atleta, de viajar com o atleta", contou.

"Vou esporadicamente viajar, como foi agora com a Poliana , mas vou cada vez mais me afastar de estar à frente, ter que viajar... Basicamente é isso. O resto é igual. (...) Meu objetivo agora é ficar tocando realmente só a parte social, para crianças, gratuitamente, ensinando as lutas de forma gratuita", completou.

Apesar da mudança de foco em sua rotina, o técnico mantém as portas abertas de sua academia para visitas ilustres. Ex-campeão em duas categorias do UFC, B.J. Penn, que foi seu aluno antes mesmo de começar a treinar MMA, faz seu camp na cidade do Rio de Janeiro para retornar ao octógono no dia 29 de dezembro, contra Ryan Hall. Antigo dono dos cinturões dos leves (70 kg) e dos meio-médios (77 kg) do Ultimate, o veterano de 39 anos parece "bem motivado mesmo", de acordo com as palavras de 'Dedé' para a Ag. Fight.

"O B.J. é nosso aluno muito antes de começar a lutar MMA. Ele pegou a faixa preta aqui, ele veio se graduando às vezes comigo, às vezes um amigo meu que morava no Havaí, o 'Charuto' . Ele veio para cá na faixa marrom, e foi quando eu dei a faixa preta para ele ir disputar o Campeonato Mundial de Jiu-Jitsu, que ele foi campeão. E depois disso ele migrou para o MMA e preferiu ficar lá fora, porque na época a gente só trabalhava com jiu-jitsu, trabalhava muito pouco como equipe de MMA", explicou Pederneiras.

"Então, ele acabou fazendo toda a parte dele de MMA nos Estados Unidos, e agora a gente se encontrou em um seminário no Canadá, teve mais tempo para ficar conversando, e ele esboçou a vontade de voltar a lutar, já que tinha se aposentado. E aí a gente conversando, eu falei: 'Cara, por que você não vai para o Brasil?'. E ele veio para cá, está gostando, estamos com boa expectativa para a próxima luta dele. Mas vitória e derrota fazem parte. Preparado ele vai estar para tudo", ressaltou.

Por fim, 'Dedé' analisou o momento de outro dos seus alunos de destaque: o ex-campeão peso-pena (66 kg) José Aldo. O treinador destacou que o manauara manteve a rotina pesada de treinos, mesmo após a vitória sobre Jeremy Stephens, em julho, mas praticamente descartou o retorno do brasileiro ao octógono neste ano. Ele ainda ressaltou que o foco do atleta é o combate pelo cinturão, mas garantiu que ele não teria problema em fazer uma luta antes disso pela vaga de desafiante.

"O Aldo não parou muito para essa luta agora. Continua se mantendo treinando, viajou algumas vezes a trabalho, mas ele está bem condicionado. Esse ano não . Mais provável ano que vem. (...) Vontade ele sempre tem de disputar o título, mas nem sempre é possível. Se acontecer, ótimo; se não acontecer, a gente espera, faz mais uma luta e espera", concluiu.

Esporte