PUBLICIDADE
Topo

MMA


MMA

Renato Moicano compara Aldo a Pelé e Guga e cita "honra" em possível duelo

Renato Moicano finaliza Cub Swanson no UFC 227  - Diego Ribas/ Ag. Fight
Renato Moicano finaliza Cub Swanson no UFC 227 Imagem: Diego Ribas/ Ag. Fight

31/08/2018 11h31

Apesar de elencar José Aldo como um de seus ídolos, Renato Moicano não demonstra interesse de enfrentar outro adversário neste momento que não seja o ex-campeão do UFC. Em grande fase na carreira, o brasiliense enfatizou que seria uma honra enfrentar uma referência nacional no esporte. O lutador, inclusive, comparou o hipotético combate contra o compatriota a situações similares que poderiam ocorrer em outras modalidades esportivas, como um tenista enfrentar Gustavo Kuerten ou um jogador de futebol dividir o campo com Pelé.

Além disso, Moicano aponta o duelo contra o antigo dono do cinturão dos pesos-penas (66 kg) como um dos que possa fazer sentido neste momento. O brasiliense finalizou Cub Swanson em seu último combate, e, com isso, subiu posições no ranking de sua categoria. Deste modo, ficou posicionado abaixo apenas de quatro atletas: Frankie Edgar, que já tem luta no Ultimate agendada para novembro, Brian Ortega e Max Holloway, que disputam o cinturão em data ainda a ser definida, e do ídolo José Aldo, segundo colocado da categoria.

"Se estivéssemos competindo em qualquer outro esporte, as pessoas veriam como algo bom. Imagine competir contra Pelé no futebol ou Guga no tênis. Deve ser a mesma coisa na luta. Compartilhar o octógono com José Aldo seria uma honra para mim. O fato de as pessoas falarem sobre essa luta e dizerem que faz sentido já me deixa feliz e honrado. Seria um sonho que se tornaria realidade para mim", revelou o quarto colocado da divisão dos penas em entrevista ao site "MMA Fighting".

"Ele é um ídolo no Brasil, ele é um ídolo para mim, mas tenho que ser o mais profissional possível. Faz sentido para o UFC, e o vencedor iria para uma luta pelo título em seguida. O que eu realmente queria era lutar com o (Brian) Ortega em uma revanche, mas ele não vai lutar contra ninguém, ele quer esperar o Max Holloway pelo cinturão. Temos que fazer outras lutas nesse meio tempo, e estou interessado em lutar com alguém à minha frente", completou.

Moicano ainda recordou de quando Aldo perdeu o cinturão para Conor McGregor em dezembro de 2015 após nocaute com apenas 13 segundos de luta. 'Moicano' atribuiu o ocorrido a algum tipo de desatenção do manauara, e que as derrotas seguintes para Holloway, em junho e dezembro de 2017, se deram em função de o ex-campeão ainda não ter aceito que não conseguiria uma revanche contra o irlandês. Após derrotar o brasileiro, 'Notorious' subiu de categoria e se sagrou também campeão dos leves (70 kg) com vitória sobre Eddie Alvarez em novembro de 2016.

"Aquela luta que ele perdeu com o McGregor foi sorte. Talvez eu não diria sorte, mas imprudência. Ele subestimou McGregor e pagou um alto preço por isso. Sobre suas derrotas para o Holloway, acho que a cabeça dele não estava no lugar certo. Ele ainda estava pensando em revanche com o McGregor, não estava pensando direito. (...) Ele quer pegar o cinturão de volta, e sua última performance no UFC, nocauteando um cara duro como Jeremy Stephens, que só havia sido nocauteado assim uma vez, eu acredito que ele ainda está em seu melhor", finalizou.

Aos 29 anos, Renato Moicano vive o auge de sua carreira profissional. O atleta da academia American Top Team acumulou, até então, 13 triunfos, uma derrota e um empate em seu cartel como lutador de MMA.

MMA