PUBLICIDADE
Topo

Esporte

Revelação! Lutador brasileiro brilha no 'PFL' e lidera torneio dos leves

Ag. Fight

24/08/2018 08h00

Natan Schulte não é um atleta muito reconhecido no Brasil. No entanto, a julgar pelo seu retrospecto recente, isso deve mudar em breve. Com passagens por eventos como o XFC e o WSOF, o catarinense chegou ao PFL - nova versão deste último evento - sem muitos holofotes voltados a ele. Porém, o peso-leve (70 kg) surpreendeu e conquistou duas vitórias seguidas na nova organização, e com isso, lidera o torneio de sua categoria, que premiará o campeão com US$ 1 milhão - cerca de R$ 4,1 milhões.

Logo em seus primeiros compromissos, o brasileiro enfrentou dois lutadores experientes e com passagem pelo UFC: Chris Wade e Jason High. Natan venceu os dois confrontos, respectivamente, por decisão unânime e finalização. Os triunfos na temporada regular do torneio dos leves ajudaram a atrair visibilidade ao atleta e o alçaram à liderança da liga até o momento. Em entrevista exclusiva à Ag. Fight, Schulte afirmou que a vitória sobre Wade mudou a maneira com que ele vinha sendo observado pelos adversários.

"Quando eles casaram essa luta com o Chris Wade e eu venci ele com total unanimidade, já me olharam. Eu sempre disse que tem grandes nomes no peso-leve, e eu era muito desconhecido, no meio de todos aqueles grandes nomes, veteranos. Mas, quando eu ganhei do Chris Wade, a galera já começou a olhar de outra forma. Depois que eu finalizei o Jason High, que é um cara duríssimo, que fez muitas lutas no UFC, aí o pessoal já olhou de outra forma mesmo. Acredito que eles estão me vendo agora como um cara que chegou quieto ali, que ninguém conhecia muito e agora os próprios atletas já começam a olhar de outro modo. Para mim, foi bom, teve bastante mídia em cima disso, e o pessoal que não me conhecia passou a conhecer", avaliou.

O jovem de 26 anos já entrou em ação em junho, agosto e irá lutar em outubro pela fase de mata-mata do torneio da PFL. Caso vença os combates de quartas de final e semifinal - que serão realizados na mesma noite -, lutará também em dezembro deste ano pelo título do GP. Natan revelou que já viveu situação parecida no XFC, e que, sem lesões, ele consegue balancear a alta frequência de lutas com treinos mais leves.

"A preparação é um pouco diferente. Já tinha lutado no XFC dessa forma, só que com menos lutas. No XFC, em seis meses, a gente fez três lutas. A primeira, a segunda e a terceira, que foi a final. A gente teve um período de seis meses para se preparar. É mais ou menos isso, né, só que com mais luta. Duas lutas a mais. O período de uma luta para a outra acaba sendo um pouco menor, então você tem que lutar de uma forma que... A gente não consegue controlar luta, mas como eu não me machuquei nem nada, fiquei legal, sem lesão, eu tive um descanso para voltar a treinar de novo, só que com uma periodização diferente. Tanto que a forma de treino físico, sparring, tem que ser um pouco diferente, com um pouco mais de cuidado. Mas estou conseguindo fazer isso bem", analisou o catarinense.

Atleta da American Top Team - uma das maiores equipes do mundo - desde 2016, Natan contou que tinha vontade de se juntar à academia desde 2010. Ao falar sobre o futuro no MMA, o brasileiro não descartou a possibilidade de lutar pelo UFC, mas ressaltou o bom momento que vive no PFL e a maneira responsável com que, segundo ele, a empresa organiza seus eventos.

"A gente ainda não resolveu isso . Só temos o contrato assinado para a temporada. Então não cheguei a ver isso de talvez continuar lutando depois. Provavelmente, eles devem fazer mais um GP depois desse, mas ainda não vi isso. Mas posso dizer que estou muito satisfeito com o evento, com o Ray , que faz um trabalho muito bom. A organização é muito boa. Então, não é que eu não sou interessado em ir para o UFC, mas estou muito satisfeito com o evento e muito feliz de estar lutando nessa organização. Mas, se eu for para os playoffs, fizer boas lutas, indo para a final ou sendo campeão, com certeza vai chamar atenção, porque é um torneio de US$ 1 milhão, chama muito a atenção de outros eventos. Os outros atletas veem isso também: 'Pô, torneio de US$ 1 milhão, cara'", afirmou.

Em sua carreira, Natan Schulte tem 15 vitórias e somente três derrotas. 'Russo' ficou cinco anos sem perder, entre 2012 e 2017, quando foi surpreendido por Islam Mamedov. Na chave dos leves do torneio do PFL, ainda há lutadores com combates a fazer, mas, se a fase terminasse agora, Schulte enfrentaria o também brasileiro Thiago Tavares nas quartas de final.

Esporte