PUBLICIDADE
Topo

Esporte

De olho no futuro, 'Bate-Estaca' planeja investimentos fora do MMA

Ag. Fight

29/07/2018 16h00

Jéssica Andrade tem só 26 anos ? e, consequentemente, muito tempo de carreira por vir. Mas, em entrevista exclusiva à reportagem da Ag. Fight, a brasileira mostrou que já pensa na aposentadoria. Não que ela pretenda parar de lutar em breve, muito pelo contrário. É que, apesar da pouca idade, 'Bate-Estaca' sabe que precisa juntar dinheiro para viver confortavelmente quando deixar os cages.

Em maio, durante o UFC 224, no Rio de Janeiro, a paranaense reclamou da demora de Karolina Kowalkiewicz em aceitar a luta proposta contra ela e declarou a jornalistas que não poderia ficar muito tempo sem lutar, porque se esperasse até outubro, o dinheiro acabaria. No fim das contas, o duelo foi marcado para 8 de setembro, no UFC 228, em Dallas, no estado americano do Texas. À Ag. Fight, Jéssica afirmou que, se conseguir um title shot, deve receber um pouco mais do Ultimate.

"Tenho um contrato de oito lutas. Aumentou o meu contrato. Mas sempre que a gente vai fazer uma disputa de cinturão, a gente acaba renovando contrato por um valorzinho maior, né. E se eu sair campeã, acho que esse contrato vai ser mais definitivo. A gente tem que buscar evoluir sempre, né, não só na parte de luta, mas também no financeiro, porque quando a começa a se destacar, passa a chamar mais a atenção, o UFC ganha mais com nossa visibilidade, então, para uma disputa de cinturão, com certeza. Já falei com meu empresário, e se a gente chegar ao cinturão a gente vai buscar, sim, um valor maior", falou.

"Ser campeão exige mais de você, né? De treinamento, melhoria no seu CT, melhoria de material humano para trabalhar, investir mais na preparação física, na alimentação, então você tem que estar em treinamento o tempo todo. Já coloquei na minha cabeça que quando eu for campeã do UFC eu vou ter que diminuir as minhas férias, porque vão querer me pegar o tempo inteiro", acrescentou.

Veja bem: "quando" for campeã, e não "se" for campeã. A mesma certeza demonstrada em relação a um futuro cinturão é a apresentada em relação à necessidade de se preparar para o momento no qual parar de lutar.

"A cada luta a gente tem que buscar estar um pouco melhor financeiramente, vou buscar investir esse dinheiro em outras rendas, para que eu não fique apenas dependendo do UFC sempre, porque senão uma hora eu vou me aposentar e 'não sobrou nada, o que eu vou fazer de minha vida?'. Então, é o momento de investir em coisas diferentes e continuar na luta", declarou.

Andrade tem um cartel de 24 combates profissionais: 18 vitórias e seis derrotas. No entanto, apenas uma destas foi nos últimos três anos. Desde que desceu para a categoria dos palhas (52 kg), perdeu apenas a disputa de cinturão para Joanna Jedrzejczyk.

Esporte