PUBLICIDADE
Topo

Esporte

Após vitória no LFA, Erick Silva inclui Bellator entre metas para futuro próximo

Felipe Paranhos, em Salvador (BA)

Ag. Fight

25/07/2018 09h00

Quase todo lutador que é demitido do UFC tem como objetivo voltar um dia à maior organização do mundo. Não é diferente com Erick Silva. O meio-médio (77 kg) fez, na última sexta-feira (20), a sua primeira luta desde 2010 fora do octógono mais famoso do mundo. E a vitória sobre Nick Barnes, no LFA 45, animou o capixaba a voltar aos holofotes. Em entrevista exclusiva à reportagem da Ag. Fight, o 'Tigre' destacou a vontade de retornar ao UFC, mas citou também o Bellator como evento em vista.

Um convite para os dois principais eventos de MMA do planeta, entretanto, não chega de maneira automática. O triunfo no LFA pode, inclusive, não ser suficiente para gerar o interesse das duas empresas. Por isso, a fim de não se desconcentrar de treinos e lutas, Erick prefere deixar a situação aos cuidados de seu novos empresários, Ed Soares e Jorge 'Joinha' Guimarães.

"Eu quero voltar a um evento grande. Disso eu não tenho dúvidas. UFC e Bellator são os dois maiores, então são duas possibilidades. Mas isso eu vou deixar nas mãos dos meus empresários. Quando aparecerem as propostas, vamos sentar e definir o meu futuro", declarou.

Às vésperas do combate, duas questões sobre Erick chamaram a atenção. A primeira foi o corte de peso. Em um vídeo publicado na ferramenta 'Stories' do Instagram do meio-pesado (93 kg) Rafael 'Feijão', que o auxiliou na preparação para a luta, o capixaba surgiu aparentemente muito abatido antes da pesagem. No entanto, Silva afirmou que o processo "foi muito bom", "completamente ao contrário" do que as imagens davam a entender.

A outra notícia que veio à tona horas antes do show foi a de que o atleta ainda estava sob suspensão médica determinada pela Comissão Atlética de Manitoba, no Canadá, referente à derrota para Jordan Mein, em dezembro do ano passado. A sanção poderia impedi-lo de entrar no cage em Cabazon, na Califórnia (EUA), mas tudo foi resolvido antes do combate. Segundo Erick, ele só tomou conhecimento sobre a confusão quando não havia mais pendências.

"Na verdade, eu nem fiquei sabendo. O Ed Soares tratou de tudo e não me disse nada, só no dia da luta, depois de tudo resolvido, que ele me comunicou. Então não houve preocupação da minha parte (risos)", disse à Ag. Fight.

Como em outras 12 de suas 30 lutas na carreira, o confronto contra Nick Barnes terminou ainda no primeiro round. Mas não sem uma reviravolta. Após receber uma cotovelada que o levou a knockdown, Erick conseguiu encaixar um armlock que o devolveu à coluna das vitórias depois de quase dois anos.

"Tomamos um susto com a cotovelada, mas consegui ficar calmo e encaixar a chave de braço. Barnes é um atleta muito duro, que usa bem a distância, além de ser canhoto, e me complicou pra encontrar a distância na luta", analisou.

Erick passou pouco mais de seis anos no UFC, tendo sido bastante ativo no período. Entre 2011 e 2017, foram 15 lutas, com sete vitórias e oito derrotas, sendo uma delas a controversa desclassificação contra Carlo Prater, em 2012.

Reveja a finalização de Silva em sua vitória no LFA 45:

Um vídeo publicado por ufc (@ufc) em Ago 8, 2015 às 9:50 PDT

Esporte