PUBLICIDADE
Topo

Esporte

Promessa no TUF, Anderson 'Braddock' Silva narra dificuldade em migrar para o MMA

Diego Ribas, em Las Vegas (EUA)

Ag. Fight

20/07/2018 08h00

Os nomes dos participantes da 28ª temporada do TUF (The Ultimate Fighter) foram divulgados semana passada pelo UFC e, dentre eles, estão dois brasileiros: Larissa Pacheco e Anderson 'Braddock' da Silva. Veterano do kickboxing, o peso-pesado de 31 anos terá a chance de, em caso de vitória no reality show, cortar caminhos em sua carreira e assinar contrato com o maior show de MMA do mundo. Mas, para isso, como ele revelou em conversa exclusiva com a reportagem da Ag. Fight, ele precisa de adaptar ao novo esporte.

Após competir a vida inteira focado na trocação em duelos realizados em ringues, Braddock revelou que treinar outras modalidades e mudar seu estilo de luta em pé para competir no MMA é desafiador. Mais do que isso, ele terá que mostrar grande parte de suas habilidades e fraquezas diante das câmeras em um programa de televisão que conta como pano de fundo o confinamento dos participantes.

"Minha vida inteira eu fui lutador de kickboxing, tem uns dez anos que sempre treino com a galera do UFC, dos pesos-pesados. Nos últimos dois anos eu resolvi experimentar, ver como era lutar e a transição está sendo bem difícil. Focado no MMA, no wrestling, em treinar jiu-jitsu... Está bem difícil, mas gostoso também, está sendo uma experiência boa, coisas novas. Como um brinquedo novo, a gente quer sempre aprender e saber todos os truques", narrou durante o media day promovido na sede do UFC na cidade de Las Vegas (EUA).

Apesar do contato com as artes maciais mistas por praticamente uma década, o brasileiro revelou que o processo de convencimento para enfim se arriscar nos octógono foi demorado. No entanto, ele se deu da melhor forma possível, diante do treinamento com alguns dos maiores nomes da história do esporte no Brasil, que procuravam nele um sparring de alto nível na luta em pé.

"Cerca de dez anos atrás, o primeiro contato que tive com o MMA foi com o Lyoto Machida, quando fui ajudar ele para a luta contra o Jon Jones. Depois teve os irmãos Nogueira, que são meus amigos particulares. Cigano, Werdum também que são amigos meus, grandes nomes. Teve também Marcos Rogerio 'Pezão', Luiz Henrique 'KLB', então tem um tempo que troco experiência com essa galera aí. Mas focado mesmo na minha carreira, tem dois anos", descreveu.

Curiosamente, o brasileiro carrega o mesmo nome do maior lutador de MMA da história do Brasil e, não fosse o apelido de Braddock, carregaria a mesma introdução para os seus combates. De olho em seu futuro no UFC, o kickboxer brincou com o fardo de carregar o mesmo nome da lenda 'Spider' e prometeu ampliar o legado da 'família Silva' no esporte.

"Esse nome aí tem muito peso né . No kickboxing eu cheguei a ser o terceiro do mundo, agora quero trilhar uma história no MMA, e acredito que eu tenho potencial para representar o nome Anderson Silva. Estar nas cabeças e quem sabe fazer até um pouco mais do que ele fez pelo esporte, que é muito difícil", projetou.

Ao longo de sua extensa carreira no kickboxing - modalidade na qual chegou a desafiar o então campeão Rico Verhoeven pelo Glory - Braddock, soma 43 vitórias, 17 derrotas e um empate. Como lutador de MMA por sua vez, tem três triunfos e um revés.

Confira a lista dos atletas do TUF 28:

Pesos-penas (66 kg)
Leah Letson (4-1)
Larissa Pacheco (11-2)
Marciea Allen (7-2)
Pannie Kianzad (9-3)
Bea Malecki (2-0)
Julija Stoliarenko (4-2-1)
Katharina Lehner (7-1)
Macy Chiasson (2-0)

Pesos-pesados
Ben Sosoli (6-2)
Maurice Greene (5-2)
Michel Batista (4-0)
Juan Francisco Espino Diepa (8-1)
Justin Frazier (10-2)
Anderson 'Braddock' (3-0-1)
Przemyslaw Mysiala (22-9-1)
Josh Parisian (7-2)

Esporte