PUBLICIDADE
Topo

Esporte

Peso-pesado do UFC relembra situação de 'Jacaré' e acusa evento de não o querer campeão

Ag. Fight

20/07/2018 12h54

No MMA de alto nível, uma sequência de quatro vitórias já é rara. Imagine, então, entre os pesos-pesados, categoria em que apenas um soco muda com frequência uma luta. E é justamente fugindo de riscos que Curtis Blaydes chegou a quatro triunfos consecutivos - o último deles contra Alistair Overeem. Mas, de acordo com 'Razor', seu estilo, baseado no wrestling, não agrada o Ultimate. Por isso o lutador lembrou da situação que Ronaldo 'Jacaré' viveu entre 2013 e 2015 e declarou que a empresa vai aproveitar toda oportunidade possível para não lhe dar a chance de disputar o cinturão.

O curioso é que, apesar de não ser um grande striker, Blaydes não é exatamente o que se pode chamar de 'amarrão'. Na organização, das suas cinco vitórias três aconteceram por nocaute técnico. Ainda assim, Curtis não pretende mudar o seu jogo, que alterna trocação e muitas quedas. De acordo com o atleta, suas vitórias "não significam nada para o UFC".

"Lembro da situação de 'Jacaré' anos atrás, nos médios. Era exatamente a mesma posição em que eu estou. E ele tinha a opção de esperar ou pegar outra luta, que foi o que ele decidiu. Pegou outra luta, contra Yoel Romero, e perdeu uma decisão dividida apertada. E não chegou perto do título desde aquele dia. Então, é algo que eu tenho pensado também", lembrou.

"Estou disposto a esperar, porque tenho a sensação de que o UFC realmente não quer que eu tenha o cinturão. Porque eu não tenho o estilo mais emocionante, não é tão atraente aos fãs. Então, acho que eles vão aproveitar todas as oportunidades para não me darem o title shot, porque eles sabem que meu wrestling é o X da questão. Se eu tiver de fazer isso, vou levar o cara para o chão e usar o meu ground and pound nele por três rounds. E isso, eles estão certos, não é a versão mais emocionante de luta. Mas é a mais efetiva, especialmente contra os pesos-pesados que eu tenho enfrentado", completou.

Blaydes declarou também que, mesmo se sua sequência de vitórias chegar a cinco, o UFC vai dar um jeito de escolher um outro desafiante. "Então, se eu vencer outro adversário, não acho que eles vão se importar. Acho que, mesmo se eu desafiar Stipe e vencer, eles provavelente darão o title shot a Cain Velasquez ou, quem sabe, talvez Jon Jones ou Junior Dos Santos. Há muitos outros caras que eu sei que o UFC gostaria que fosse campeão dos pesados em meu lugar", analisou.

Apesar de ser supostamente preterido por causa de seu estilo, Curtis afirmou que não vai mudar. Segundo o atleta de 27 anos, tentar dar um espetáculo é arriscar ter o mesmo destino de Max Holloway, que, aos 26 anos, está afastado do MMA para tratar sintomas de concussão ? lesão causada por pancadas na cabeça.

"Não vou arriscar ter lesões no cérebro para fazer um show para pessoas que não conheço. Acho que o que aconteceu com Max Holloway é o que acontece quando você gosta da trocação franca. Sinto que as pessoas não gostam de falar sobre isso, mas tive essa discussão com meus técnicos, meus colegas de quarto, outros lutadores. Acho que o que aconteceu com ele é resultado direto de todas as guerras em que ele esteve e de todos os golpes fortes que recebeu", falou.

Blaydes só tem uma derrota na carreira, para Francis Ngannou, em sua estreia no UFC. Antes disso, fez cinco lutas profissionais e oito amadoras, todas com vitórias. No Ultimate, depois de perder para Ngannou, venceu seis lutas seguidas, mas foi pego no doping por uso de maconha contra Adam Milstead, o que transformou o resultado da luta em 'no contest'.

Esporte