PUBLICIDADE
Topo

MMA


MMA

Gastelum promete ajudar Whittaker a se curar de lesão: "Pago do meu bolso"

Kelvin Gastelum durante entrevista para o UFC 224  - Bruno Braz/UOL
Kelvin Gastelum durante entrevista para o UFC 224 Imagem: Bruno Braz/UOL

19/07/2018 06h00

Estava tudo pronto e planejado para a realização do TUF 28, com Kelvin Gastelum e Robert Whittaker como os técnicos definidos. Entretanto, após declarar que só deve voltar a atuar em 2019, o campeão adiou para fevereiro o confronto entre os treinadores do reality show, antes programado para dezembro. Em conversa com jornalistas nessa terça-feira (17) na sede do UFC, em Las Vegas (EUA), o desafiante americano lamentou a lesão sofrida pelo rival e afirmou que, se preciso, pagaria seu tratamento.

O peso-médio (84 kg) australiano fraturou a mão no duelo contra Yoel Romero no UFC 225, realizado em Chicago (EUA), em junho deste ano. Na ocasião, ele defendeu o título linear dos médios contra o cubano. Com a lesão do campeão, Kelvin, o próximo desafiante, não escondeu sua frustração e desejou que Whittaker se recupere logo.

"Um pouco desapontador, mas completamente compreensível. Ele tem uma lesão na mão para tratar, então eu quero me certificar que ele fique saudável, que ele tenha todo o tratamento necessário para melhorar aquela mão. Se eu tiver que pagar do meu bolso, eu farei isso. Queremos ele 100% saudável", declarou com bom humor Gastelum.

Ao falar sobre a chance de disputar o cinturão, Kelvin afirmou que o seu perfil de enfrentar qualquer um a qualquer hora foi primordial para credenciá-lo ao título. O americano lembrou que enfrentou todos os tops da categoria em um curto espaço de tempo, e demonstrou estar confiante para o confronto contra o atual campeão dos médios.

"Ele é bom, tem um grande coração. Ele mostrou na última luta vontade para conquistar aquela vitória e obviamente tem um ótimo boxe, mas ao mesmo tempo eu também sou um bom boxeador. Minhas habilidades encaixam bem com as dele", analisou de forma confiante.

"As pessoas também esquecem que eu tenho uma experiência no wrestling. Na verdade, eu sou um wrestler que aprendeu a boxear. Não usei muito isso nas minhas últimas lutas porque eu gosto do jogo em pé, mas sou um wrestler, faixa marrom de jiu-jitsu e eu tenho muita confiança no meu jogo no chão também. Então, eu me sinto bem em todos os aspectos do MMA com relação a Robert", completou o lutador.

Mas a missão de Gastelum não será nada fácil, afinal de contas ele terá pela frente um atleta que desde que estreou nos médios não sabe o que é perder. Whittaker soma oito vitórias seguidas desde que subiu de categoria. Já o desafiante vem embalado por dois triunfos contra rivais de destaque: Michael Bisping e o brasileiro Ronaldo Jacaré.

MMA